header top bar

section content

Para Cássio, governo age como biruta de aeroporto ao sabor do vento

A redução da desoneração da folha salarial faz parte do plano de ajuste fiscal elaborado pelo governo.

Por

14/07/2015 às 14h55

Cássio Cunha Lima, senador da Paraíba

A possibilidade de votação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 57/2015 provocou intenso debate no Plenário do Sendo nesta segunda-feira (13). O texto, do Executivo, retira a desoneração da folha de pagamento sobre 56 setores produtivos. A discussão começou após o presidente do Senado, Renan Calheiros, dizer, em Plenário, que a votação da matéria não pode ser apressada.

– Nós votarmos hoje, apressadamente, o projeto como chegou da Câmara, excetuando só quatro, cinco setores, sem política industrial, sem uma lógica, vai agravar esse quadro já bastante grave da economia nacional – alertou.

Proposta
A redução da desoneração da folha salarial faz parte do plano de ajuste fiscal elaborado pelo governo. O ministro da Fazenda, Joaquim  Levy, foi contra estabelecer exceções, mas os deputados acabaram mantendo a desoneração para quatro setores: empresas de telecomunicações, transporte, call center e de calçados. A estimativa é de que o fim da desoneração aumente a arrecadação do governo em R$ 1 bilhão por mês.

Após a manifestação de Renan, o líder do governo na Casa, Delcídio Amaral (PT-MS), fez uma proposta para garantir a aprovação do texto. A intenção é votá-lo antes mesmo do recesso parlamentar, ou seja: nesta semana. Para Delcídio, o Senado poderia aprovar o texto como veio da Câmara e o governo elaboraria uma medida provisória com possíveis alterações. Outra opção seria aprovar o texto agora e criar uma comissão especial no Senado para discutir, em 45 dias, outro texto sobre o assunto. Delcídio recebeu o apoio do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

Protestos
A proposta do líder do governo gerou protestos na oposição. O líder do PSDB na Casa, senador Cássio Cunha Lima, disse que “não há como entender. O governo de Dilma Rousseff, do PT, se comporta como biruta, que gira de acordo com o vento”.

Segundo ele, o governo apresentou um projeto de lei que deveria tramitar de acordo com o rito que está previsto nas regras da Casa.

“O mérito da matéria é uma sinalização muito ruim para a economia brasileira. O governo não pode querer mudar as regras que ele mesmo criou. Essa oscilação e instabilidade geram incerteza para as empresas.”

Cássio argumentou, ainda, que as empresas fizeram um planejamento financeiro com base nas desonerações e que, agora, o governo gera insegurança com a medida.

O líder do PSDB  garantiu que o partido não entrará em acordo para apressar a votação da matéria.

Da Assessoria

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!