header top bar

section content

Assembleia da Paraíba rejeita veto do governador ao projeto de lei de autoria de deputado cajazeirense

O Projeto de Lei seguirá para o Plenário onde será votado o parecer da relatora nos próximos dias.

Por

17/12/2013 às 12h47

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Assembleia Legislativa da Paraíba rejeitou na tarde desta segunda-feira (16/12/),  por unanimidade, o veto do governador da Paraíba ao Projeto de Lei nº 1.630/2013, de autoria do Deputado Estadual Vituriano de Abreu (PSC), que dispõe sobre a obrigatoriedade da publicação dos gastos com a realização de concurso público e proíbe a realização de concurso público para cadastro reserva.

O Plenário da Assembleia Legislativa havia aprovado, por unanimidade, a propositura de Vituriano de Abreu, mas o governador resolveu vetar o Projeto.

A relatora na CCJ, Deputada Lea Toscano, analisando o veto governamental, verificou que o Projeto de Lei de Vituriano de Abreu não é inconstitucional, pois não criam despesas para o Estado, mas sim, obrigações para as empresas ou entidades que realizarem concursos públicos de provas ou de provas e títulos ou processos seletivos para os Órgãos da Administração Pública Direta ou Indireta do Estado da Paraíba, quando as mesmas ficam obrigadas a publicarem nos seus respectivos sites da internet toda a movimentação financeira referente ao certame, bem como proíbe concursos públicos para formação de cadastro reserva. Todos os deputados, de situação e oposição, acompanharam o voto da relatora.

De acordo com o Projeto de Lei, por ocasião da publicação dos gastos, as empresas deverão publicar ainda as seguintes informações: I – modalidade de licitação para a realização do certame e o respectivo número do processo licitatório; II – forma de arrecadação dos valores das inscrições; III – número de candidatos inscritos para cada cargo e o valor total arrecadado com as inscrições; IV – número de candidatos que obtiveram isenção do pagamento da taxa de inscrição; V– valores discriminados das despesas realizadas com: a) divulgação do concurso; b) elaboração das provas; c) fiscalização de cada etapa do certame; d) correção das provas; e) publicações no diário oficial de informações referentes ao concurso; f) gastos com locais de provas e logística; g) qualquer outra despesa com o certame.

Em caso de descumprimento, as empresas ou entidades que realizarem concursos públicos ficarão sujeitas ao pagamento de multa no valor equivalente a 300 UFR/PB.

O Deputado Vituriano de Abreu justificou sua propositura argumentado que no ano de 2011, a Presidenta da República Dilma Roussef sancionou a Lei nº 12.527, que dispõe sobre o direito fundamental de acesso às informações pelo cidadão brasileiro e devem ser executadas em conformidade com os princípios básicos da administração pública. Esta legislação foi um marco para a história da transparência pública, tão cobrada pela sociedade.

A propositura apresentada objetiva assegurar a transparência no tocante à movimentação financeira relacionada aos concursos públicos de prova e de provas e títulos ou processos seletivos realizados por órgãos da administração estadual direta ou indireta.

Muitas pessoas não têm habilidade com a internet, em acessar os sites dos tribunais de contas, e por isto dificulta o acesso às informações sobre a arrecadação e os gastos com a realização de concursos públicos em nosso Estado.  

 As Constituições Federal e Estadual exigem publicidade e transparência dos atos praticados pela Administração Pública.

“As razões do veto do governador estão em desconformidade com os termos do nosso  Projeto de Lei. Este projeto não gera despesa para o Estado, mas sim, obrigação para as empresas em publicarem em seus sites a movimentação financeira dos concursos.  O cidadão, aquele que verdadeiramente se dedicou aos estudos com o objetivo de prestar um concurso público, será o maior beneficiário da propositura que foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares integrantes da Casa de Epitácio Pessoa, ou seja, aquele candidato que prestou concurso público, que dedicou anos de estudos e que foi aprovado, não fique sem ser convocado para assumir seu cargo, por conta da denominada seleção para “cadastro reserva”. Espero que os meus colegas deputados mantenham o parecer da Relatora, deputada Léa Toscano e rejeitem o veto governamental.”, destacou o deputado Vituriano de Abreu.

O Projeto de Lei seguirá para o Plenário onde será votado o parecer da relatora nos próximos dias. Participaram da Reunião da CCJ os Deputados Estaduais Janduhi Carneiro, Olenka Maranhão, Bado Venâncio, Léa Toscano, Jutay Menezes, João Henrique e Carlos Batinga.

Da secom

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!