header top bar

section content

Diretor da UFCG de Cajazeiras diz quais serão os serviços do novo hospital universitário, mas pede vigilância contra desvios de verba

Ainda não há previsão para o início da obra. Mas ao começar, a estimativa é de que ela dure, no mínimo, quatro anos para ser concluída se não houver paralisações

Por Jocivan Pinheiro

18/04/2017 às 14h10 • atualizado em 18/04/2017 às 14h17

169 milhões de reais. Esse é o valor inicial que foi garantido e anunciado esta semana para a construção de um hospital universitário dentro do campus da UFCG em Cajazeiras. A informação foi confirmada pelo diretor do campus, Antônio Fernandes, que disse ter ficado surpreso com o anúncio ainda este ano, já que o país vive uma crise financeira que está sendo usada como justificativa para cortes de recursos em diversas áreas.

Feliz com a notícia, Antônio Fernandes agradeceu a todas as pessoas que compraram essa briga há muitos anos, de gestores da saúde que ajudaram a traçar o perfil de atendimento do hospital a políticos que exerceram pressão em Brasília para a liberação dos recursos.

“Envolve uma luta muito grande de várias pessoas que há muito tempo pleiteiam e planejam esse hospital, que vêm ao longo do tempo construindo o perfil para esse novo hospital. Nós não tínhamos nenhuma expectativa de que esta licitação ocorreria ainda esse ano em virtude da crise política e econômica que o país está vivenciando, e fomos surpreendidos.”

VEJA TAMBÉM: Verba para novo hospital universitário de Cajazeiras é ‘boa nova’ em meio aos escândalos de gestão, destaca radialista

Antônio Fernandes, diretor do campus da UFCG de Cajazeiras

Os recursos para a construção do hospital universitário de Cajazeiras são do Programa Mais Médicos. Contudo, Antônio Fernandes pede que os políticos paraibanos e a população mantenham a cobrança e a vigilância para que não haja desvios de verba que comprometam a obra.

“A gente precisa garantir via nossos políticos. A gente conta com o apoio da bancada da Paraíba e da população na cobrança de que esse recurso, de fato, seja destinado para essa construção e não haja nenhum tipo de desvio para que a gente possa ter o hospital que a gente precisa e merece.”

Os serviços do hospital

Ainda não há previsão para o início da obra. Mas ao começar, a estimativa é de que ela dure, no mínimo, quatro anos para ser concluída se não houver paralisações. O hospital será construído ao lado do campus da UFCG e terá 200 leitos (145 gerais, 20 de UTI adulta, 15 de UTI pediátrica, 10 de UTI neonatal e 10 de UCI), além de centro de imagens avançado; unidades de Patologia e Citopatologia; centro de hemodiálise com 20 leitos; centro de média e alta complexidade em nefrologia; serviço cardiovascular, entre outros.

“Acreditamos que vamos ter ainda uma longa espera, mas será concretizada. A gente precisa ter um hospital universitário em virtude do curso de Medicina e para dar suporte aos outros cursos e programas de residência médica, mestrados e doutorados que serão viabilizados com essa obra”, conclui Antônio Fernandes.

DIÁRIO DO SERTÃO

XEQUE-MATE

VÍDEO: Vereador de Cajazeiras e educadores esclarecem polêmicas sobre a identidade de gênero nas escolas

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente