header top bar

section content

Ciberataques no WhatsApp duplicam no último trimestre de 2017

Foram registrados 44 milhões de ameaças disseminadas pelo aplicativo, segundo laboratório especializado em crimes cibernéticos

Por Veja

07/02/2018 às 14h04

A quantidade de golpes disseminados pelo app cresceu 107% em relação ao trimestre anterior, quando foram registrados 21 milhões de golpes (Foto: Dado Ruvic/Reuters)

O WhatsApp se tornou a ferramenta número 1 dos hackers para aplicar golpes cibernéticos no Brasil, aponta um estudo coordenado pelo DFNDR Lab, o laboratório especializado em crimes cibernéticos da PSafe. Segundo os dados, mais de 44 milhões de ameaças foram disseminadas no app entre outubro e dezembro de 2017. O resultado é 107% superior em relação ao trimestre anterior, quando foram registrados 21 milhões de golpes.

“Ao utilizarem o WhatsApp, os cibercriminosos estão aprimorando suas estratégias por meio de engenharia social. Eles estão investindo contra indivíduos por meio de uma rápida e maciça disseminação de links maliciosos em vez de produzir malwares, que são mais complexos de ser criados e têm menor potencial de viralização”, explica o diretor do DFNDR Lab, Emílio Simoni, em nota.

Segundo o especialista, os hackers criam sites e ações com visual cada vez mais verossímil e, com isso, conseguem atingir um número cada vez maior de pessoas em curtos períodos de tempo. A maioria dos golpes seduz as vítimas oferecendo promoções inexistentes ou até inscrições para processos seletivos de empregos falsos em grandes empresas — como aconteceu com a Cacau Show, que teve seu nome vinculado a um link malicioso clicado por 1 milhão de pessoas.

Apesar do aumento de golpes nos aplicativos, o número total de ameaças detectadas caiu 1,8% em relação ao terceiro trimestre de 2017. “Atribuímos essa queda ao fato de as empresas estarem cada vez mais preocupadas em aumentar seus investimentos em segurança digital e possivelmente também à crescente conscientização da população sobre a importância de se adotar medidas de proteção on-line”, comenta Simoni.

Os dados do DFNDR Lab indicam que os links maliciosos, embora tenham apresentado apenas 0,6% de aumento no último trimestre do ano, representam 67,3% das ocorrências e foram 17 vezes mais usados em golpes do que os malwares. Dois a cada três links maliciosos identificados tinham como canal de disseminação o WhatsApp.

Em terceiro e quarto lugar da lista de canais de disseminação mais frequentes aparecem a publicidade suspeita, com 9,8% das infecções, e o phishing (quando golpistas se passam por profissionais ou páginas oficiais) bancário, que representa 6,9% dos casos. Ofertas de serviços inexistentes, notícias falsas e golpes que fazem cadastro em serviços pagos de SMS representam, cada um, 4% das infecções.

Ameaças

Entre os malwares, as fraudes mais comuns ocorrem quando o usuário baixa um aplicativo suspeito que o cadastra, automaticamente, em serviços pagos de SMS. Esse tipo de ataque somou mais de 3 milhões de golpes identificados, segundo o DFNDR Lab. Também existem fraudes em que os golpistas criam cópias de aplicativos reais que, após o download, promovem a exibição ilegal de anúncios. O DFNDR Lab estima que 755.000 ameaças desse tipo tenham sido registradas só no último trimestre.

O laboratório também sugere que um golpe que une dois tipos de ameaça, o phishing via apps de mensagens e o phishing bancário, é o tipo de fraude que mais deve crescer nos próximos meses. “Essa variação de ciberataque reúne alto potencial de viralização e maior possibilidade de ganho financeiro para os criminosos”, diz Simoni.

Fonte: Veja - https://veja.abril.com.br/economia/ciberataques-no-whatsapp-duplicam-no-ultimo-trimestre-de-2017/

Tags:
YOUTUBER DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Léo Abreu revela em quais profissões podemos encontrar psicopatas

ESPERANÇA NA POLÍTICA!

VÍDEO: Pastor evangélico fala sobre Bolsonaro: “Ele incorporou o que a sociedade acredita: a família”

ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco