header top bar

section content

Rafael Ilha: “Fumava 70 pedras de crack por dia e morei 6 meses na rua”

Durante entrevista ao "Programa do Porchat", ele estava acompanhado de Aline Kezh, sua mulher

Por Priscila Belmont

08/06/2017 às 08h53

© Edu Moraes/Record TV

O ex-Polegar Rafael Ilha, vez por outra, desabafa sobre o momento mais difícil da sua vida, quando foi dependente de drogas e chegou a morar nas ruas. Explanar sobre o tema funciona, para ele, sempre como uma superação e uma forma de conscientizar, principalmente quando recebe divulgação da mídia.

O desabafo mais recente de Ilha aconteceu em entrevista ao “Programa do Porchat”, nesta terça-feira (6).

“A única coisa que eu me arrependo de tudo na vida foi o tempo que eu perdi com as drogas. Cheguei a morar quase seis meses na rua. Praticava pequenos furtos para sustentar meu vício… Eu fumava 70 pedras de crack por dia”, contou.

Ele também falou a respeito da situação dos usuários de droga na região conhecida como ‘Cracolândia’, a qual ele garante que não frequentava: “Nunca fui de fumar em grupo”.

Rafael estava acompanhado de Aline Kezh, sua mulher, segundo o site do Estadão. Os dois falaram sobre o reality “Power Couple Brasil”, do qual foram eliminados recentemente, e também do período em que Rafael passou preso no Paraguai, por estar portando uma arma.

Para quem não se recorda, Rafael Ilha ficou amplamente conhecido por ter ingerido o conteúdo tóxico de uma pilha durante uma crise de abstinência na década passada. Em maio deste ano, ele brincou com o fato posando ao lado de uma ‘pilha’ gigante.

Notícia ao Minuto

QUARTO EPISÓDIO

Em homenagem ao Dia das Crianças, programa Coisas de Cajazeiras entrevistou uma turma esperta e antenada

EMOÇÃO E REVOLTA

VÍDEO: Após um ano e três meses, Victória Albuquerque é sepultada sob lágrimas e protestos em Cajazeiras

CRISE?

VÍDEO: Empresário afirma que tem vagas de emprego em Cajazeiras, mas faltam profissionais capacitados

DIRETO AO PONTO

Eleitos em Cajazeiras devem se comprometer com aeródromo, estrada de Boqueirão e hospital, diz colunista