header top bar

section content

‘Aprendi sexo oral pensando em picolé de chocolate’, diz Geisy Arruda

Em conversa ousada nos bastidores do Paparazzo, modelo também deu sua opinião sobre sexo anal: 'É prova de amor'.

Por

30/10/2014 às 08h45

Não existe tabu para Geisy Arruda quando o assunto é sexo. Desinibida e muito bem resolvida, como ela mesma faz questão de frisar a todo momento, a modelo não se furtou a responder às mais picantes perguntas nos bastidores do Paparazzo. Nem mesmo sobre sexo anal, assunto que já deu o que falar com declarações de Sandy e Nicole Bahls em outras ocasiões.

"Já fiz com dois namorados, mas sexo anal para mim é prova de amor. Só fiz porque estava completamente apaixonada. Mas acho que é uma coisa muito particular, muito íntima, não dá para sair fazendo com todo mundo", explica.

Tanta destreza para falar de sexo, talvez, seja reflexo de uma vida sexual que começou aos 13 anos. Hoje com 25, Geisy relembra sua primeira vez, sem arrependimentos, e conta como aprendeu a fazer sexo oral logo em sua "estreia":

"Ele não sabia que eu era virgem, quis fazer uma surpresa. Cheguei toda confiante, mas na hora 'H' não consegui fazer nada. Para me ajudar a fazer sexo oral direito, ele me disse para imaginar que estava chupando um picolé. Aprendi a fazer pensando em picolé de chocolate, que é mas gostoso. Quando acabamos de transar, fui ao banheiro e vi que estava sangrando.

Fiquei toda feliz. Ele ficou muito bravo quando descobriu que eu tinha acabado de perder a virgindade. Ele foi meu primeiro amor", lembra a modelo.

EGO

Tags:
OS CIRENEUS DO CAMINHO

VÍDEO: Programa Mensagem de Esperança reflete sobre imunização espiritual e como lidar com adversários

'MENSAGEM DE FÉ'

VÍDEO: Padre apresenta programa especial na TV sobre a tradicional Festa de Dom Bosco em Cajazeiras

'OPINIÃO DO CIDADÃO'

VÍDEO: Em Cajazeiras, presidente da OAB-PB diz ser contra posse de arma: “Índices de mortes aumentam”

PROPRIEDADES EMBARGADAS

VÍDEO: Impedidos de plantar, agricultores de Cajazeiras acusam IBAMA de excessos na aplicação de multas