header top bar

section content

Presidente da Fifa não garante Copa das Confederações em 2021

Gianni Infantino diz que entidade está estudando o torneio a fundo para saber da viabilidade ou de uma nova edição

Por Priscila Belmont

03/07/2017 às 08h54

© Reuters

O jogo entre Alemanha e Chile neste domingo (2), que decidiu o título da Copa das Confederações da Rússia, poderá ser o último da história do torneio. A sequência da competição não está garantida a partir de 2021.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, foi questionado sobre o futuro da competição -que é disputada desde 1992- e fez mistério.”O que acontece depois disso [final desta edição], vamos analisar, como fizemos com todas as competições desde que cheguei à Fifa. Primeiro focamos na Copa do Mundo e depois de muita análise resolvemos aumentar de 32 para 48 seleções. Estamos estudando todas as competições e obviamente vamos analisar a Copa das Confederações. Talvez possamos aumentar para 48 seleções, ou talvez não (risos)”, disse o presidente da entidade.

O maior problema que a Fifa pode ter para organizar a Copa das Confederações de 2021 no Qatar é o calendário. A época mais propícia para a realização do torneio seria no inverno, entre novembro e dezembro. Entretanto, isso bate diretamente com a temporada europeia, o que causaria briga com os clubes. Em 2022, já haverá a paralisação dos campeonatos europeus para a disputa da Copa do Mundo do Qatar no fim do ano.

Desde 2001, quando a Coreia do Sul e o Japão sediaram o torneio, ele é realizado um ano antes do Mundial como evento-teste. A única exceção foi a edição de 2003, na França, quando a competição ainda acontecia a cada dois anos.

DOPING

A entrevista coletiva de Infantino, a única desde que chegou à Rússia, também foi marcada por diversas perguntas sobre o suposto doping dos 23 jogadores russos que disputaram a Copa do Mundo de 2014. A informação foi publicada pelo jornal britânico “Daily Mail” no último domingo (25).

O excesso de questões irritou Vitaly Mutko, presidente da União Russa de Futebol, do Comitê Organizador do Mundial e vice-primeiro ministro.

“Se eu começar a dançar uma dança típica russa aqui, agora, vocês param com essas perguntas ou não? Não sei mais o que fazer”, disse o cartola, que em inúmeras oportunidades negou que haja doping no futebol russo.

Infantino, por sua vez, afirmou que os testes feitos até agora com atletas russos em competições da Fifa e da Uefa nunca apontaram nenhum uso de substâncias ilegais. Ele fez questão de reforçar que os testes são conduzidos por laboratórios credenciados pela Wada (Agência Mundial Antidoping) e seguem os mais rigorosos controles.

O presidente da Fifa afirmou também que a investigação para apurar as denúncias feitas pelo jornal estão sendo conduzidas em cooperação com a Wada e que haverá punição caso algo seja comprovado..

“Se algo surgir, claro que teremos punições. Quando os resultados saírem e se tiver alguma regra violada, faremos punições disciplinares, é claro. Há tolerância zero para o doping, seja com a Rússia ou com qualquer outro país”, disse. Com informações da Folhapress.

Noticias ao Minuto

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

“Sou liderança forte, mas estou abandonado”, declarou Gobira ao vivo sobre grupo de Carlos Antonio

VÍDEO!

Padre cajazeirense responde a cantor gospel que atacou Nossa Senhora: “Nossos pêsames a esse cantor”

SAIBA

É OU NÃO É FERIADO? Em entrevista, prefeito de Cajazeiras decide sobre o Dia de São Pedro

PROGRAMA XEQUE MATE

Em Cajazeiras, pai de Gabriel Diniz se emociona e fala com exclusividade sobre a morte do cantor