header top bar

section content

Com golaço na final, Pratto salva o ano e cumpre promessa de marcar contra ex-time do coração

Contratação mais cara da história do River, atacante quase perdeu posição no time há dois meses

Por GE

10/12/2018 às 07h16 • atualizado em 10/12/2018 às 07h18

Lucas Pratto também marcou no jogo de ida da final, no 2 a 2 na Bombonera (Foto: Reuters)

Que maneira espetacular encontrou Lucas Pratto para terminar um ano tão conturbado. Só em 9 de dezembro o centroavante do River Plate justificou o carimbo que ganhou em janeiro, o de jogador mais caro da história do clube, que pagou US$ 11,5 milhões ao São Paulo por seu contrato.

Faltavam apenas 23 minutos para o River perder a final do Libertadores para o Boca Juniors, que vencia por 1 a 0 no Santiago Bernabéu, quando Pratto cravou o empate de pé direito. O golaço levou o jogo para a prorrogação, quando Quintero e Pity Martinez selaram a vitória por 3 a 1. Aos 30 anos, o ex-jogador de Atlético-MG e São Paulo resumiu assim a conquista:

Pratto trocou o São Paulo pelo River para se sentir mais perto de uma vaga na Copa do Mundo. Sem grandes atuações, foi ignorado pelo técnico da seleção, Jorge Sampaoli, a quem criticou por não lhe dar mais oportunidades. No dia 8 de outubro, o jornal “Olé” perguntava numa manchete: “Pratto perdeu seu lugar no time?”. E informava que, pela primeira vez no ano, o atacante havia ficado no banco de reservas e sem entrar ao longo de uma partida do Campeonato Argentino.

A resposta, o próprio Pratto deu no mês seguinte, quando o River se classificou para a final da Libertadores. O dono da camisa 27 fez um dos gols no empate por 2 a 2 no jogo de ida da decisão, disputada na Bombonera, estádio do Boca. Neste domingo, no Santiago Bernabéu, Pratto fez o gol que tirou o River do sufoco e abriu caminho para a virada consumada na prorrogação.

– Na medida que o tempo passe, vamos ter mais claro o que conseguimos. Ganhar a Libertadores, contra o maior rival da história do clube… E depois de tudo o que aconteceu, da suspensão do jogo, de terem tirado a partida da nossa casa – disse Pratto, sem citar o nome do maior rival, justamente o time para o qual ele torcia quando criança.

Pratto chegou a fazer duas partidas pelos profissionais do Boca em 2009, mas foi dispensado e nunca esqueceu do tratamento que recebeu no clube. O atacante nunca escondeu que, depois disso, ele se sentia mais identificado com o Vélez Sarsfield, onde jogou por três temporadas antes de rumar para o Galo.

Em março deste ano, quando o River Plate enfrentou o Boca Juniors na final da Supercopa Argentina, Pratto havia prometido aos dirigentes que seria decisivo naquela partida. E avisou que iria, sim, comemorar um gol contra o Boca. O River ganhou por 2 a 0, com gols de Scocco e Pity Martinez. Faltou o gol de Pratto, faltava cumprir a promessa. Depois da noite de domingo em Madri, não falta mais.

GE

Fonte: GE - https://globoesporte.globo.com/futebol/libertadores/noticia/com-golaco-na-final-pratto-salva-o-ano-e-cumpre-promessa-de-marcar-contra-ex-time-do-coracao.ghtml

Recomendado para você pelo google

EM SOUSA

Radialista revela que “vítima da mão pesada e dos chutes do prefeito Tyrone” disputará eleições em 2020

VÍDEO

Comandante do Corpo de Bombeiros aponta possíveis causas do incêndio no lixão de Cajazeiras

SAÚDE

VÍDEO: Programa Xeque Mate fala sobre a saúde de Cajazeiras e recebe popular e diretoras do HUJB e HRC

REFORMA AGRÁRIA

VÍDEO: Coordenadora da CPT Sertão afirma que terras são um direito dos camponeses e não do agronegócio