header top bar

string(16) "diario-esportivo"

section content

Presidente do Sousa taxa torcedores de marginais: “Não piso mais no Perpetão”

Segundo Aldeone Abrantes, foram arremessadas pedras contra a comissão técnica do Sousa Esporte Clube. Confira o vídeo aqui!

Por

22/04/2015 às 11h08

O presidente do Sousa Esporte Clube, Aldeone Abrantes, prestou entrevista à reportagem do Portal e TV Online Diário do Sertão e falou sobre a confusão durante a partida entre Sousa e Atlético de Cajazeiras no domingo (19) onde o time cajazeirense venceu o adversário pelo placar de 1 a 0.

No fim do jogo, os jogadores se envolveram em uma confusão. Os reservas dos dois times e também membros das comissões técnicas também entraram no tumulto. O árbitro da partida expulsou o jogador Jackson do Sousa, e do Atlético que tomou cartão vermelho foi Carlos Eduardo.

Segundo Aldeone Abrantes, durante a confusão foram arremessadas pedras contra a comissão técnica do Sousa Esporte Clube.

“Um bando de marginal vestido de torcedores, apedrejaram nosso ônibus. O que me deixa chocado é saber que a Polícia Militar, não deu nenhuma segurança para a comissão técnica do Sousa Esporte Clube. Uma coisa eu garanto, enquanto eu viver, nunca mais pisarei no estádio Perpetão”, disse Aldeone.

Tem que vencer
O próximo jogo do Sousa Esporte Clube é na quarta-feira (22) contra o líder da competição Botafogo que garantiu a classificação antecipada após vencer o Auto Esporte pelo placar de 4 a 2 durante jogo realizado no domingo (19). 

Assista o momento da confusão no estádio Perpetão

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça