header top bar

section content

Lutador alfineta Vitor Belfort: ‘Espero que ele passe por mais sete testes’

Em entrevista ao “MMA Fighting”, o brasileiro criticou a diferença no controle realizado pelas comissões atléticas

Por

10/03/2015 às 07h30

Belfort criticou o tratamento diferenciado reservado a Weidman (Foto: Reprodução/Instagram)

Para o combate contra Vitor Belfort, valendo o cinturão do peso-médio no UFC, o campeão Chris Weidman não está economizando em um ingrediente: o “trash talk”, como são conhecidas as provocações para desestabilizar adversários.

Ao site “MMA Fighting”, o americano não baixou a guarda após a revelação de que Vitor Belfort já passou por sete exames anti-doping surpresa desde julho do ano passado — Weidman havia questionado publicamente, através de uma rede social, se o brasileiro vinha sendo testado.

– Se ele passou por sete exames pré-luta, isso é ótimo. 

Espero que ele passe por mais sete – ironizou.

Há duas semanas, foi divulgado em primeira mão que Belfort havia sido submetido a pelo menos seis testes surpresa desde julho, quando seu tratamento de reposição hormonal foi proibido pela Comissão de Nevada.

Em entrevista ao “MMA Fighting”, o brasileiro criticou a diferença no controle realizado pelas comissões atléticas, já que Weidman foi testado apenas uma vez no mesmo intervalo.

– 40% dos lutadores falham (em testes surpresa). É uma quantidade grande. Todo mundo é culpado até ser testado. Então, se alguém quer lutar pelo cinturão, não importa o nome. Todo mundo tem que ser tratado igual – argumentou Belfort.

Extra

Tags:

Recomendado para você pelo google

ALUNOS DÃO SHOW

VÍDEO: 3º dia da Mostra de Conhecimentos destaca a natureza, tecnologias, leitura, teatro e matemática

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: advogado sousense fala sobre a redução da maioridade penal. Você é contra ou a favor?

VÍDEO

Dra Paula fala sobre dificuldades na gestão do seu esposo em Cajazeiras e diz ser contra demissões

GOVERNO NO FOCO

VÍDEO: Professor comenta os impactos do fim do DPVAT, golpe na Bolívia e invasão à embaixada venezuelana