header top bar

section content

Alemanha marca dois gols na prorrogação, vence a Argélia e avança na Copa

A Argélia tentou – teve ótimas chances, abusou dos contra-ataques, viu o goleiro M'Bolhi conseguir impressionantes defesas. Mas a Alemanha parece gostar de clichês. Foi metódica. Mostrou que a camisa pesa. Não tomou, fez – e só na prorrogação. E assim está nas quartas de final da Copa do Mundo, entre as oito melhores seleções: […]

Por

01/07/2014 às 10h20

O goleiro M'Bolhi conseguiu impressionantes defesas (Foto: reprodução imprensa)

A Argélia tentou – teve ótimas chances, abusou dos contra-ataques, viu o goleiro M'Bolhi conseguir impressionantes defesas. Mas a Alemanha parece gostar de clichês. Foi metódica. Mostrou que a camisa pesa. Não tomou, fez – e só na prorrogação. E assim está nas quartas de final da Copa do Mundo, entre as oito melhores seleções: como faz desde 1954. No Beira-Rio, em Porto Alegre, vitória sobre os africanos por 2 a 1, gol de letra de Schürrle no primeiro minuto do tempo extra, e de Özil no último, e clássico contra a França por vir.

Não houve o fim da maldição nem a vingança argelina por 1982, quando os africanos venceram os alemães, mas foram eliminados após os europeus realizarem "jogo de compadres" com a Áustria. Houve a continuidade de uma tradição. Quem prefere ver as seleções grandes indo longe em Copas está feliz. Quem prefere as "zebras" ficou no quase neste confronto. O Maracanã, na próxima sexta-feira, verá um duelo europeu.

Fases do jogo: O primeiro tempo foi de sufoco. Não, não para os argelinos, como muitos previam. Para os alemães. A Argélia encontrou um jeito de neutralizar o toque de bola em velocidade da Alemanha, tão característicos e que encontrou os torcedores durante a primeira fase, e apostou nos contra-ataques. Que só não deram certo por dois motivos: o erro no último toque, fosse o passe, fosse a finalização, e porque Slimani, o matador argelino, estava centímetros impedido quando conseguiu colocar a bola na rede de cabeça.

A segunda etapa continuou a ver a mesma tática argelina dando certo, mas com o crescimento alemão. M'Bolhi, o goleiro da Argélia, cresceu no jogo – e na frente de Müller, Lahm e cia., que pararam nas mãos do arqueiro em defesas espetaculares. Por isso, o 0 a 0 prosseguiu, e a prorrogação foi o destino. Em um minuto, o drama argelino: Schürrle completou cruzamento rasteiro de letra, na única bola que M'Bolhi não pôde alcançar. Não adiantou a pressão argelina nos outros 29 minutos. A Alemanha avançou, com gol de Özil no finalzinho para garantir. Djabou conseguiu diminuir nos acréscimos, mas não deu.

O melhor: M'Bolhi – O goleiro argelino teve atuação grandiosa, com defesas espetaculares: em destaque, uma cara a cara com Müller, uma em chute de longe de Lahm e outra em cabeçada de Müller na pequena área. Se não fosse ele, apesar do ótimo jogo da Argélia, a Alemanha provavelmente teria se classificado já no tempo normal. Destaque também para Slimani, o centroavante, que foi quem fez a Argélia sufocar a Alemanha com seus contra-ataques. Ele jogou isolado, mas de forma muito inteligente. Tanto que Neuer, o goleiro alemão, atuou diversas vezes de líbero, para salvar que Slimani escapasse sozinho nas costas de Mertesacker e Boateng.

O pior: Götze – O meia alemão ficou no banco contra os EUA, recuperou a vaga para as oitavas de final e acabou substituído no intervalo. Não ajudou Müller, o atacante isolado da Alemanha, e não colaborou na criação de jogadas com Özil e Kroos, que ficaram sobrecarregados enquanto Götze ficou em campo. Schürrle, seu substituto, fez o gol salvador.

Chave do jogo: A paciência alemã foi a vencedora sobre os contra-ataques argelinos. Se os principais lances de susto da partida foram da Argélia, sempre na velocidade e nos lançamentos inteligentes em profundidade, restou a Alemanha tocar a bola quando a possuía e esperar o momento certo. Ele veio, na prorrogação, e com ele a vaga.

Toque dos técnicos: Pelo lado alemão, Joachim Löw mudou novamente o time, apostando na manutenção da titularidade de Schweinsteiger, para melhorar o controle de bola no meio, já que Khedira teve fracas atuações, e na volta de Götze – que deu errado, logo trocado por Schürrle. E foi Schürrle que, logo no primeiro minuto da prorrogação, fez, de letra, meio sem querer, o 1° gol do triunfo.

Já na Argélia, Vahid Halilhodzic mudou o time que deu certo contra Rússia e Coreia do Sul e tirou Djabou e Brahimi, donos de ótimas atuações na fase de grupos, para armar sua equipe no 5-4-1, com Slimani isolado e três zagueiros. Para quem pensava que isso significaria apenas retranca, não foi assim: a Argélia abusou dos contra-ataques em velocidade, com ótimas trocas de passe. A eliminação veio, mas por pouco, muito pouco.

Para lembrar:

Hummels, zagueiro titular da Alemanha, ficou fora do duelo pelas oitavas por ter amanhecido nesta segunda-feira com febre. Ele foi substituído por Mustafi, que chegou a ser cortado da delegação antes da Copa por treinar abaixo do nível de seus companheiros, segundo Joachim Löw. 

O meia argelino Feghouli jogou com curativo na cabeça. Na partida contra a Coreia do Sul, ele sangrou bastante após choque e não conseguiu se recuperar plenamente até o jogo das oitavas.

Até aqui, a Argélia tinha 100% em jogos contra a Alemanha: 2 a 0 em amistoso em 1964 e 2 a 1 na Copa do Mundo de 1982.

Thomas Müller protagonizou um dos lances mais engraçados da Copa. Em jogada ensaiada no finalzinho da segunda etapa, ele tropeçou e caiu, atrasando todo o plano alemão. A cobrança, é claro, acabou prejudicada e passou longe de dar certo.

A África segue com um limite em Copas: Camarões, em 1990, Senegal, em 2002, e Gana, em 2010, são as únicas seleções do continente a chegar às quartas de final. Nenhuma avançou para as semis.

ALEMANHA 2 X 1 ARGÉLIA

Data: 30 de junho de 2014
Horário: 17h00 (de Brasília)
Local: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (BRA)
Assistentes: Emerson de Carvalho (BRA) e Marcelo Van Gasse (BRA)
Cartões amarelos: Halliche, aos 41 min. do 2°t (ALG); Lahm, aos 2 min. do 2°t da prorrogação (ALE)
Gols: Schürrle, a 1 min. do 1° t da prorrogação, Özil, aos 14 min. do 2°t da prorrogação (ALE); Djabou, aos 16 min. do 2°t da prorrogação (ALG)

ALEMANHA: Neuer; Höwedes, Boateng, Mertesacker e Mustafi (Khedira, aos 24 min. do 2°t); Lahm, Schweinsteiger (Kramer, aos 4 min. do 2°t da pror), Kroos, Götze (Schürrle, no intervalo) e Özil; Müller
Técnico: Joachim Löw

ARGÉLIA: M'Bolhi; Mandi, Mostefa, Halliche (Bouguerra, aos 6 min. do 1° t da pror.), Belkalem e Ghoulam. Lacen, Feghouli, Taider (Brahimi, aos 32 min. do 2°t) e Soudani (Djabou, aos 9 min. do 1°t da pror.); Slimani
Técnico: Vahid Halilhodzic

Fonte: Uol 

Tags:

Recomendado para você pelo google

MAIS EDUCAÇÃO

VÍDEO: No 2º dia da Mostra de Conhecimentos do N. S. do Carmo, alunos se destacam em temáticas diversas

EM CAJAZEIRAS

VÍDEO: No Mês da Black Friday, concessionária Brazauto oferece preços e formas de pagamento especiais

VÍDEO

Vereador lamenta falta de doação ao Hospital Laureano e acusa prefeito de Pombal: “Virou as costas”

TROVÃO NO BRASILEIRÃO

VÍDEO: Prefeito se compromete a patrocinar o Atlético de Cajazeiras com R$ 20 mil mensais em 2020