header top bar

section content

Pelé aponta Chile como provável surpresa da Copa

A cada Copa do Mundo, Pelé, como referência do futebol, é questionado por todos que querem saber a opinião do maior jogador de todos os tempos sobre o Mundial. E, de quatro em quatro anos, ele sempre sugere uma seleção candidata a destaque que não está no topo das apostas. Agora, o Chile, do técnico […]

Por

10/06/2014 às 08h26

Ele sempre sugere uma seleção candidata a destaque que não está no topo das apostas.(Foto: impre

A cada Copa do Mundo, Pelé, como referência do futebol, é questionado por todos que querem saber a opinião do maior jogador de todos os tempos sobre o Mundial. E, de quatro em quatro anos, ele sempre sugere uma seleção candidata a destaque que não está no topo das apostas. Agora, o Chile, do técnico Jorge Sampaoli é a bola da vez.

Pelé não está sozinho. Recentemente, Zidane também indicou a seleção chilena como surpresa no Brasil.

No lançamento do Índice Para Uma Vida Melhor, da OCDE, na FGV, em São Paulo, o diretor da organização, Anthony Gooch, também quis saber os favoritos do Rei do Futebol. Perguntado em espanhol, Pelé tentou se esquivar.

– Não entendo muito espanhol, não entendo sua pergunta – brincou, para em seguida responder. – Estive dois anos viajando pela Europa, vejo a Alemanha e a Espanha como as mais fortes. Os espanhóis têm uma equipe que joga junto há oito anos. Há que se respeitar Inglaterra e Itália também. Aqui na América do Sul, não podemos desrespeitar a Argentina, e o Chile vem como surpresa. Mas o importante é que o Brasil esteja na final.

Fonte: O Globo 

Tags:

Recomendado para você pelo google

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo fala sobre o Festival de Prêmios do Atlético e do clássico contra o Sousa

MASSACRE DE SUZANO

VÍDEO: Psicóloga fala sobre jogos eletrônicos e ausência da família influenciando tragédias com jovens

O CAMINHO

VÍDEO: Em Pombal, Frei Gilson declara que a Igreja Católica precisa pregar um catolicismo praticante