header top bar

section content

Caminhoneiro morre carbonizado após veículo tombar na BR-230

Corpo do motorista foi encontrado dentro da cabine do veículo. Caminhão estava carregado com areia e trafegava de Campina Grande para João Pessoa.

Por Portal Diário com G1PB

06/08/2018 às 09h37

Acidente aconteceu na BR-230, na altura do município de Ingá (Foto: Artur Lira/TV Paraíba)

Um caminhoneiro morreu depois do caminhão em que ele estava pegar fogo, na BR-230, na altura do município de Ingá, no Agreste paraibano, na manhã desta segunda-feira (6). O veículo saiu da pista para o canteiro central, tombou e pegou fogo. O corpo do motorista foi carbonizado dentro da cabine.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o caminhão estava carregado com areia e trafegava de Campina Grande para João Pessoa. O veículo ficou completamente destruído pelas chamas.

O Corpo de Bombeiros esteve no local para controlar o fogo e fazer o resfriamento da área. Parte da carga que estava no caminhão caiu na rodovia e um desvio foi realizado pela PRF para monitorar o trânsito no local.

Inicialmente, não havia informações sobre o motorista. Os moradores escutaram o barulho do acidente, foram até a pista e não encontraram o motorista no local. O Hospital de Trauma de Campina Grande e o Samu não receberam nenhum registro ou solicitação para atendimento. Após o resfriamento, o Corpo de Bombeiros encontrou o corpo do motorista dentro da cabine do caminhão.

Fonte: https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2018/08/06/homem-tem-corpo-carbonizado-apos-acidente-com-caminhao-em-inga-na-pb.ghtml

BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça