header top bar

section content

Mãe diz que era vítima de maus tratos de jovem que falsificava joias

'A mãe não só se sentiu aliviada com a ação da Polícia Civil, como nos ajudou a encontrar o material falsificado', disse o delegado

Por O Dia

14/09/2018 às 09h23

Mariana Souza Mota, de 24 anos, foi presa por falsificar joias e vender como originais da H.Stern na Internet - Divulgação

A mãe da jovem que falsificava joias relatou aos agentes que sofria maus tratos cometidos pela filha. Mariana Souza da Mota, de 24 anos, foi presa após três meses de investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) nesta quarta-feira em casa, em um condomínio de luxo no bairro Cantagalo, na Região de Pendotiba, em Niterói.

“A mãe dela não só se sentiu aliviada com a ação da Polícia Civil, como nos ajudou a encontrar o material falsificado que estava escondido pela casa”, diz o delegado da DRCPIM responsável pelo caso, Maurício Demétrio.

Segundo o delegado, a mãe relatou ser agredida pela filha e disse que sabia das atividades ilegais praticadas por Mariana. A jovem era especialista em falsificar joias da maior joalheria do país, a H. Stern, que fez a denúncia do crime. Ela vendia as peças em sites e redes sociais como se fossem verdadeiras com valores entre R$ 5 mil a R$ 12 mil.

Todas as joias ao serem vendidas devem possuir um certificado de autenticidade. De acordo com os investigadores, Mariana não só falsificava as peças como também o documento. Ela disponibilizava até QR Code para convencer o comprador. Em depoimento, a jovem negou o crime.

Em seu perfil em uma rede social, Mariana se definia como design de joias, uma pessoa humanitária, filantrópica que sonha em contribuir e ver um melhor.

De acordo com Mauricio Demétrio, ela realizava diversas viagens internacionais e a especializada investigará se ela comprava as pedras em outros países. No depoimento, a jovem disse que trazia as pedras preciosas da Índia e que fazia as compras em Dubai.

Joias falsificadas apreendidas pela polícia – Severino Silva / Agência O Dia

“Agora, queremos saber a origem das pedras, pois identificamos diversas viagens dela para o Oriente Médio”, declarou o delegado, que ainda fez um alerta: “Se a oferta for muito inferior ao preço real utilizado no mercado é preciso desconfiar”.

Se condenada, Mariana pode ficar até dois anos na cadeia. No entanto, ela vai responder ao inquérito em liberdade. A Polícia Civil vai encaminhar um relatório à Polícia Federal para investigar se as pedras falsas entravam no Brasil por contrabando.

Fonte: https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2018/09/5574621-mae-diz-que-era-vitima-de-maus-tratos-de-jovem-que-falsificava-joias.html#foto=1

REPORTAGEM ESPECIAL

VÍDEO: Igualdade de direitos entre brancos e negros é mito, afirma ativista social de Cajazeiras

OPORTUNIDADE

VÍDEO: Primeira etapa de venda do melhor loteamento do Sertão da PB continua aberta; saiba as vantagens

FEMINICÍDIO

MUITA EMOÇÃO: Familiares e amigos de Laninha pedem justiça no Xeque-Mate de maior audiência da história

VÍDEO

Delegado fala sobre duplo homicídio registrado na rodovia que liga Cajazeiras a São João do Rio do Peixe