header top bar

section content

Após nomeação de Léa Silva para Governo do Estado inicia disputa por Pasta; Aliados brigam entre si

A prefeita quer fortalecer seu grupo e conquistar seguimentos da oposição para ‘tapar o buraco’ deixado por Zé Aldemir (PEN).

Por

30/12/2015 às 19h01

Prefeita tem uma decisão difícil em CZ

Mesmo após as especulações dando conta que o vereador Marcos Barros (PSB) possa assumir a Secretaria de Desenvolvimento Social de Cajazeiras, deixada por Léa Silva (DEM), aliadas da prefeita confidenciaram que a informação não se concretizará.

Segundo informações de aliados de Denise Albuquerque, a prefeita quer fortalecer seu grupo e conquistar seguimentos da oposição municipal para ‘tapar o buraco’ deixado pelo deputado Zé Aldemir (PEN).

Denise e Aldemir não declararam ainda publicamente o racha, mas é visível o afastamento do grupo que esteve coeso nas eleições municipais de 2012.

Não vai
Os aliados da prefeita apostam que Marcos não conseguirá assumir a Secretaria para não causar ciumeira nos demais vereadores do grupo, pois a Secretaria poderia render muitos benefícios eleitorais ao socialista.

Quem vai?
Segundo informações chegadas a nossa reportagem, Denise vai oferecer a pasta municipal à oposição na tentativa de se fortalecer para 2016, porém, não foi ainda revelado o nome que vai assumir a Secretaria.

Sem consenso 
O deputado Jeová Campos (PSB) também não está escondendo de ninguém sua insatisfação pelo fato de não ter sido consultado e sequer informado sobre a nomeação da vereadora Léa Silva para a Casa Civil do governador.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico

APOIO DE CRAQUE

VÍDEO: Embaixador do Campeonato Paraibano, Hulk diz que está à disposição para ajudar clubes do Sertão

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

VÍDEO: Para advogado da OAB de Cajazeiras, investir em presídios e não em escolas é ‘enxugar gelo’