header top bar

section content

A economia de Cajazeiras nos anos 1920

23/04/2014 às 08h19

A cidade de Cajazeiras no anos 1920 estava atingindo os primeiros sinais de modernidade vigentes que já começavam a vigorar desde os primeiros tempos republicanos, a exemplo de algumas conquistas materiais, o que se deveu em parte, aos interesses políticos de grupos sociais que, por trás dessas transformações buscaram exaltar suas próprias imagens atreladas aos momentos de progresso e modernização.

Leitão (2000, p. 40) afirma em “Inventário do Tempo: memórias”, que durante a década de 1920, Cajazeiras obteve uma intensa expansão urbana que contribuiu para que o seu comércio crescesse cada vez mais e que em 1928 a cidade já era considerada centro comercial da região sertaneja. 

De acordo com o autor, as instituições de ensino também foram importantes para que este fato acontecesse, pois atraíam estudantes de todo o sertão paraibano, além do Cariri cearense. A rede rodoviária ligava a cidade a quase todos os comerciantes locais para que estes se abastecessem das novidades. Costa (1986) comenta ainda que o comércio cajazeirense era bastante vigoroso, pois as vendas realizadas pelos empreiteiros das construções de açudes, além do aumento das construções de moradias estavam em alta, contribuindo para que a cidade crescesse constantemente.

Ademais, Silva Filho (1999) ressalta que uma das melhorias que contribuiu para o aumento populacional foi a construção do Açude de Engenheiro Ávidos que atraiu trabalhadores de várias localidades do Nordeste, gerando emprego e renda para a cidade.

Diante de tais conquistas materiais, Silva Filho (1999), explica que a produção de algodão, o carro-chefe da economia local, inclusive paraibana, contribuiu para que o desenvolvimento acontecesse, e foi muito importante para o crescimento comercial e industrial de Cajazeiras, que ainda estava caminhando os primeiros passos rumo a um propício centro urbano, entretanto, a baixa arrecadação fiscal piorou a situação econômica da cidade durante o período da seca. Contudo, o ouro branco, foi o grande responsável pela geração da riqueza que possibilitou a renovação do perfil material do município, com as primeiras transformações urbanas.

De acordo com Leitão (2000), a partir de 1920, a cidade de Cajazeiras começara a passar por transformações tanto na urbanização, como no comércio, o que acabara por ampliar e melhorar as relações que se estabelecia entre os comerciantes cajazeirenses e as cidades vizinhas. Já os grandes negócios do algodão eram feitos com praças mais desenvolvidas, como Fortaleza-CE ou Recife-PE ou ainda com Mossoró, no Rio Grande do Norte. As relações com a capital do estado só vão melhorar a partir da chegada do trem em 1923, além do melhoramento das estradas de rodagens nos anos 1930.

Leitão (2000) destaca ainda que o aperfeiçoamento social e o crescimento do comércio em 1928 concediam a Cajazeiras uma supremacia em toda a região sertaneja, com sua feira semanal que reunia diversas pessoas na comercialização de produtos regionais. Já as lojas lotavam de fregueses interessados nas novidades recém-chegadas das praças de Recife e Fortaleza, o que acabava ligando Cajazeiras através da rede rodoviária a quase todas as regiões do Nordeste. 

Referências:
SILVA FILHO, Osmar Luiz da. Na Cidade da Parahyba, o percurso e as tramas do moderno. Doutorado em História [Tese]. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1999.
LEITÃO, Deusdedit. Inventário do Tempo (memórias). João Pessoa: Empório do Tempo, 2000.
COSTA, Antonio de Assis. A(s) Cajazeiras que eu vi e onde vivi (memórias). Gráfica Progresso, João Pessoa, 1986

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre de Santana – Historiadora e Funcionária Pública Municipal

Contato: raquelalexandre24@hotmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre de Santana – Historiadora e Funcionária Pública Municipal

Contato: raquelalexandre24@hotmail.com