header top bar

section content

A freira e a prostituta na República

28/04/2014 às 23h03

No Brasil, o catolicismo foi a religião oficial na Colônia e no Império. Quase quatro séculos de vinculação institucional. Tempo de sujeição ao Estado, a Igreja no desfrute de privilégios oficiais. E de sofrimentos também. Basta lembrar a prisão de dois bispos quando da chamada “questão religiosa”, no final do reinado de Pedro II. Na República deu-se a separação, formalizada pelo decreto nº 119 A, de 7 de janeiro de 1890, contra o qual levantou-se, firme, o clero brasileiro através de Pastoral Coletiva, de 19 de março daquele ano.

Cinco meses depois, mais outra manifestação coletiva. Desta vez em forma de Reclamação do Episcopado, de 6 de agosto de 1890, assinada por 16 bispos, incluindo os coadjutores. A quem reclamaram os bispos? Ao marechal Deodoro da Fonseca, o novo mandachuva, que encaminhara ao Congresso o projeto de lei da primeira Constituição da República, em cujo texto havia dispositivos, considerados nocivos à Igreja Católica Apostólica Romana, por serem baseados em “funestos princípios que prevaleceram na acelerada redação desse documento gravíssimo”, segundo o documento da Igreja. O episcopado reclamava de quê? De muitas coisas. Em linguagem respeitosa, os pastores católicos contestaram diversos pontos do projeto da Constituição, a seguir realçados. 

O projeto escancarava as portas a todos os cultos, nivelando verdade e erro. Menosprezava o tradicional casamento religioso ao exigir a precedência do ato civil, retirando assim a bênção de Deus da união entre mulher e homem. Privava o clero do direito de representar os cidadãos “nos comícios da nação”, nivelando seus membros aos analfabetos, aos sentenciados, aos banidos, aos mentecaptos e os reduz “à ínfima esteira de párias em nossa própria pátria.” O projeto defendia também a expulsão dos Jesuítas e a proibição de ministrar aulas de religião nas escolas, além de ameaçar de esbulho os bens da Igreja. A essa tentativa, os prelados brasileiros recordaram ao marechal Deodoro o que ele próprio já prometera: “Dos bens das ordens religiosas não se há de tocar numa pedra!”

Os bispos reclamaram ainda contra a cláusula que proíbe o funcionamento dos estabelecimentos religiosos no Brasil. Sua adoção seria um golpe de morte na Igreja, cujas ações eram desenvolvidas por muitas entidades espalhadas no território brasileiro, desde sempre. Aqui a reação do clero foi convincente. Diz o documento episcopal:

“Se uma jovem quer atirar-se ao abismo da prostituição, a polícia da República abre alas respeitosas, e a deixa passar, dizendo-lhe: Está no seu direito, é livre de dirigir a sua vida como quiser. Mas se ela se encaminha a um santo asilo para aí viver castamente com amigas piedosas, entregando-se juntas a obras de religião e castidade, tendo por única família a grande família dos desgraçados: Alto lá, lhe diz a polícia, não tendes licença, isso é proibido pela Constituição da República!” 

Impossível resistir à argumentação exposta com tanta clareza. Resultado: muitos dispositivos do projeto foram escoimados do texto original apresentado pelo marechal Deodoro da Fonseca. Essa foi uma das lutas iniciais da Igreja com o novo regime republicano, contaminado das ideias positivistas e anticlericais do final do século 19.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com