header top bar

section content

Copa do Mundo e política

03/06/2014 às 11h00

Éramos oito pessoas, quatro casais. Os homens trabalhávamos na Sudene, exceto um que fora punido após o golpe, acusado de exercer atividades subversivas quando exercia a vice-presidente da UNE. Costumávamos sair juntos nos fins de semana para jogar conversa fora, quase sempre em bares à beira-mar de Olinda. Os papos sérios, contudo, se davam em nossas casas, porque nessa época havia espias oficiais em todos os lugares. O simples ato de ouvir a Rádio Havana ou Rádio Moscou era atitude suspeita, “subversiva” tanto quanto citar notícia veiculada pela BBC de Londres e até mesmo A Voz da América. Sempre havia um “dedo duro”, agente do SNI – Serviço Nacional de Informação, pronto para denunciar um colega de trabalho ou de escola, um vizinho, um parente. 

O grupo de casais tinha divergências ideológicas e políticas. Um traço comum, porém, unia a todos: a oposição ao regime militar, então presidido pelo general Garrastazu Médici, o período de maior repressão da ditadura, com rigorosa censura à imprensa, prisões arbitrárias, tortura e morte em dependências policiais e militares. Ao aproximar-se a Copa do Mundo de 1970, surgiu a dúvida. 

Torcer a favor ou contra a seleção brasileira? 

É bom lembrar que o ditador Médici fez praça de populista, o marketing oficial a explorar seu gosto pelo futebol. Sua imagem, com o rádio de pilha ao ouvido, inundava o Brasil, ao som de músicas “patrióticas” (“Prá frente Brasil, salve a seleção/ Setenta milhões em ação”) na ânsia de capturar a paixão do torcedor para o regime. Regime que mantinha em seus porões sob forte pressão física e psicológica contestadores políticos, homens e mulheres. Poucos sabiam disso. Nós, os quarto casais, obtínhamos informações clandestinas que circulavam a boca pequena e pela escuta de emissoras de rádio do exterior, captadas em ondas curtas. 

Nesse contexto, torcer contra a seleção canarinha parecia tarefa “revolucionária”, de resistência à ditadura! Com esse espírito entramos no clima da Copa de 1970. O grupo se reunia na residência de um de nós para ver os jogos. Cerveja, vodka, tira-gosto. Em frente à televisão, o ambiente era igual ao de qualquer grupo de torcedores. Com uma diferença, a tensão assumia ares dramáticos: ser ou não a favor de nossa seleção. Uma tensão desconfortável, às vezes, envergonhada, lá no fundo da alma roendo uma dúvida, nada de dar o braço a torcer, o regime vai faturar a vitória do Brasil no México, propalar que o tri é “deles”, os algozes do povo brasileiro. E nós vamos ajudar essa gente? Vamos? Absurdo. Vamos colaborar com o inimigo? Tudo isso e muitas outras interrogações passavam por nossas cabeças, na antivéspera da Copa do Mundo de 1970.

Passavam. Apenas passavam em nossas cabeças, mas quando o Brasil balançava as redes do adversário, a vibração era enorme, gritos, pulos de alegria, abraços e beijos num festejo igual ao de todo o povo brasileiro onde houvesse um aparelho de TV ou um rádio… As dúvidas sumiam. Ficava o gosto bom da vitória. Pouco importa se os generais iriam faturar. Assim foi em 1970, na conquista do tricampeonato. 

Em 2014, será diferente? O gol nos fará esquecer o governo capenga da presidente Dilma. É certo. Passada a Copa, aí sim, serão outros quinhentos! 

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com