header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Efeitos da Operação Andaime

18/10/2015 às 20h01

Por Francisco Frassales Cartaxo

Adjamilton Pereira concedeu longa entrevista ao Trem das Onze, da Rádio Alto Piranhas, no de 11 deste mês. Como advogado do réu Francisco Justino do Nascimento, no processo relacionado com a Operação Andaime, conteve-se no limite para não violar segredo de justiça, conhecendo como conhece os fatos revelados ao Ministério Público por seu constituinte. Ele acompanhou as 20 horas de depoimentos de Justino. Não é pouca coisa, sabendo-se que as declarações obedeceram à dinâmica de perguntas e respostas. Método prático e direto visando alcançar os objetivos da investigação dirigida para esquadrinhar a organização criminosa formada em torno de empresas das quais Justino faz parte. 

Por que só das empresas de Justino?

Porque o processo, objeto do acordo formal da colaboração premiada, firmado por Justino, se refere apenas às ações nucleadas por ele, seus familiares e cúmplices. Isso não significa, porém, que o réu-delator se limite a falar da situação daquelas firmas e pessoas. Ora, é fácil imaginar o tipo de questões levantadas pelos investigadores, àquela altura já de posse de massa enorme de informações, colhidas nos documentos apreendidos pela Operação Andaime, em 26 de junho, e em dezenas de interrogatórios de suspeitos, indiciados, testemunhas e réus. Determina a Lei 12.850/2013 que o delator “renuncia ao direito ao silêncio e estará sujeito ao compromisso legal de dizer a verdade”. Portanto, Justino não pode mentir. É lícito supor, por dedução lógica, que Justino foi instado a falar “da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização criminosa”, item listado na Seção I daquela Lei. Ou seja, o caminho das pedras. Não demora a gente saber, oficialmente, quem é o verdadeiro chefe ou os chefes da quadrilha.  
E vem mais coisa por aí?

Claro. E o advogado Adjamilton Pereira já sabe. Aliás, sabe o suficiente para provocar um terremoto na política de Cajazeiras e do sertão paraibano. Mas o jornalista Adjamilton não pode falar ainda. Vai esperar a quebra do sigilo processual após o término das investigações ou quando o juiz determinar. Até lá, paciência, prevalece o clima de tensão, gerador de especulações, desassossego, inquietação. E incontinência verbal, sobretudo, de autoridades e cidadãos candidatos a réu, quem sabe, em outra ação penal. Parece que na região existem várias pequenas organizações criminosas, sem um comando central unificado. Cabe à investigação deslindar esses esquemas. A delação de Justino ajuda e muito. Daí a expectativa de se efetivarem novas prisões. É questão de meses. Ou de semanas, pensam alguns. 

Ah, os efeitos da prisão!

Arrasadores, como diz uma amiga minha, até para os que, sendo políticos, já estão impedidos legalmente de concorrer a cargo eletivo. Impossível deixar de antever as consequências políticas de prisões com toda a carga de simbolismo que lhe são inerentes. Basta espelhar-se no mensalão ou na Lava Jato e relembrar a prisão de figuras como José Dirceu, Pedro Correia, Waldemar Costa Neto, André Vargas, Renato Duque, João Vaccari. Nem o empresário riquíssimo Marcelo Odebrecht escapou! Quem imaginaria, anos atrás, que isso poderia ocorrer no Brasil?

No caso da Operação Andaime não será diferente. Em dimensão muito mais modesta, é claro, mas da mesma forma humilhante. Destruidora dos que roubam o dinheiro público para enriquecimento pessoal e para financiar campanhas eleitorais. É só ter paciência e confiar no sério trabalho da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com