header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Legado da Copa do Mundo

21/07/2014 às 13h57

A Copa do Mundo de futebol acabou melancolicamente para o Brasil. Mais vergonha do que frustração, diante do deprimente espetáculo da equipe de Felipão, sobretudo, nos dois últimos jogos. Um gol a favor e 10 contra! Que equipe? Onze perdidos em campo, isso sim. Balão pra frente, quem quiser que pegue! Parecia o time do Sítio Prensa, no meu tempo de menino. Na abertura dos jogos, ainda por cima, aquele coro chulo, dirigido a Dilma. Demonstração grosseira de falta de respeito à presidente da República. Além do mais, protesto besta, inoportuno, inútil. 

Agora, voltamos à realidade do dia a dia, a campanha eleitoral batendo à porta, em meio a especulações sobre os reflexos da feiura do Brasil neste mundial. 

A derrota da seleção vai atingir a candidata Dilma?

Cada um pensa o que deseja. Muita asneira na mídia, em redes sociais, tentando descobrir quem perde e quem ganha. Mais desejo do que análise. Um mundo de palpites. Recorro à opinião de Antônio Lavareda, em entrevista à Folha de São Paulo: 

“a euforia com os jogos substituiu a reflexão coletiva sobre o custo dos estádios, obras inacabadas e o legado insuficiente. Com o fiasco da derrota, é provável que, aos poucos, volte à tona esse tipo de discussão. Na campanha, ninguém vai discutir se o Brasil perdeu o jogo. O que vai ter espaço é essa discussão sobre investimento, infraestrutura, obras. Se o Brasil fosse campeão, toda essa discussão estaria completamente superada. A oposição não teria como colocar essas coisas. Agora, é inevitável que coloque.”

O professor Antonio Lavareda é bacharel em direito, mestre em sociologia e doutor em ciência política. Alia aos títulos acadêmicos uma larga experiência em campanhas eleitorais, desde 1985, como estrategista, coordenador e intérprete de pesquisas eleitorais e tudo o mais inerente à sua profissão. É também comentarista da BandNews e autor de vários livros, entre os quais “Emoções ocultas e estratégias eleitorais”. Nesta eleição, Lavareda não se vinculou a nenhum dos candidatos à presidência de República, ficando assim mais livre para opinar.  Por tudo isso, convém prestar atenção no que ele fala.

As palavras entre aspas foram ditas antes de terminar a Copa, mas vale para o imediatismo da campanha eleitoral. Creio, não ficarão na história como algo significativo. O legado histórico serão, sem dúvida, as vergonhosas derrotas para a Alemanha (7 a 1) e para a Holanda (3 a 0). E também a mudança operada nos campos de futebol. Mudança até no nome: de estádio para arena! Não adianta colocar panos mornos, falar em “sucesso de organização”, na “copa do século” “nos milhares de turistas estrangeiros” que retornaram a seus países satisfeitos com este Brasil imenso, diversificado, de gente brincalhona. E os protestos anticopa? Minguaram. Tudo isso é bobagem. No futuro coisas assim serão enterradas no subsolo das insignificâncias históricas. Restará, porém, o inesquecível placar de 7 a 1. 

P S – Terça-feira, dia 15, o Santa Cruz do Recife perdeu de 4 a 1 para o Vasco. Santinha jogou mal. Parecia o time de Felipão… 

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com