header top bar

section content

O outro padre Rolim

04/05/2015 às 07h56

Estimulado pelas homenagens prestadas no dia 21 de abril a Tiradentes, amigo meu perguntou-me se o padre Rolim, um dos condenados na Inconfidência Mineira, era parente do nosso padre Inácio de Sousa Rolim. Respondi de pronto, não, não era. Eles têm origens diferentes e pouquíssimas afinidades, salvo a de serem sacerdotes. Um ordenado em Coimbra em 1779, o outro em Olinda em 1825. Diria mais, até formam um contraste quase perfeito, como figuras humanas, como membro do clero, sem contar a trajetória de vida que cada um percorreu. O de Minas, nascido no meado do século XVIII, ou seja, bem antes do outro que veio ao mundo em 1800. O mineiro teve sinuosa missão religiosa, oposta ao tranquilo e dedicado desempenho do filho de Vital Rolim.

O sociólogo José Murilo de Carvalho, ao falar dos clérigos brasileiros que se envolveram em antigos movimentos rebeldes, assim resumiu o perfil daquele sacerdote: Padre Rolim era rico e agiota. Já se vê que ele se referia ao padre Rolim que nada tem com o nosso. Os dois padres Rolim não são parentes. Muito menos parecidos. Ao contrário, estão a anos-luz de distância.  

O mineiro José da Silva e Oliveira Rolim nasceu em 1747 no Arraial do Tijuco, hoje cidade de Diamantina, a terra de Juscelino Kubistchek. Era considerado o mais rico dos inconfidentes. Sua fortuna provinha de três fontes principais. Todas contaminadas de sujeira e corrupção: contrabando de pedras preciosas, tráfico de escravos e agiotagem. Até sua formação religiosa, dizem, tem origem espúria. Ele quis ser padre, menos por vocação e mais para fugir de processo judicial. Fez-se rebelde para aproximar-se de conspiradores idealistas com o objetivo de obter vantagens. Mesmo assim foi útil ao oferecer condições materiais aos revoltosos, agindo com entusiasmo, dizem alguns historiadores. Por isso foi condenado à morte, porém, como vários outros, teve a sentença comutada em prisão perpétua, que seria cumprida em Portugal, mas passou apenas cerca de 15 anos no xadrez e voltou ao Brasil no começo do século XIX. 

Ao contrário de Inácio Rolim, o mineiro não era boa bisca.
 
Seguindo conduta corriqueira da época, viveu maritalmente com Quitéria Rita. Com quem? Uma das filhas da famosa Chica da Silva, a charmosa e esperta mulata, transformada em mito, ao quebrar paradigmas da sociedade colonial. Amasiada com um rico português, teve com ele muitos filhos e filhas, herdou vastas terras e escravos, participou de instituições até então privativas de gente de pele branca. Pois bem, padre Rolim, o mineiro, viveu com Quitéria Rita, 20 anos mais nova, gerou filhos numa boa, deixando herdeiros de sangue. Seus bens foram sequestrados pelo governo de Portugal e ele só conseguiu reaver parte de sua fortuna após a independência do Brasil em 1822. Morreu em 1835, quando o nosso Inácio, já ordenado padre no Seminário de Olinda, em plena repercussão dos movimentos rebeldes de 1817 e da Confederação do Equador, nos quais foram presos, condenados e mortos vários padres, sem que se tenha notícia da participação de padre Inácio Rolim.

O padre Rolim inconfidente foi, sem dúvida, uma figura controversa, como é fácil perceber por essa amostra de sua vida. Uma coisa é certa, o mineiro não guardava nenhuma semelhante com o correto sacerdote nascido em Cajazeiras, o nosso sábio e santo padre Rolim, o filho de Mãe Aninha.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com