header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Operação Andaime e a eleição de 2016

23/11/2015 às 15h55

Por Francisco Frassales Cartaxo

A eleição de 2016vai ser curtade dinheiro. Financiadores de campanha estão feito gato escaldado,com medo de água fria. Políticos e empresários estão de molho. Uns andam sorumbáticos. Vai ser difícil. O velho patrimonialismo – a mistura do público e do privado, recorrente na política brasileira desde sempre -, sofre um abalo enorme. Os carasmisturam suas contasparticulares com as da prefeitura, na hora de separar,não sabem o quanto pertence a ele e quanto é do povo. Aí, fazem como Gonzagão: “um pra mim, um pra tu, um pra mim”… Resultado, enchem os bolsos com o dinheiro público para gastar na campanha. 

Na eleição de 2016 vai ser diferente. 

Empresários, amigos meus, me alertam para a “retração” do mercado eleitoral. Que é isso, retração? Perguntei, fazendo-me de ingênuo. Ora, ora, quem é doido de arcar com as consequências de investigações, de correr o risco até de pegar cadeia para eleger seu fulano ou dona sicrana? Tô fora, confessou um deles, pequeno empreiteiro, adiantando que nãoparticipa mais de licitações públicasde obras de órgãos governamentais. Muito menos de prefeituras. Esse meu amigo está sofrendo o diabo para redirecionar suas atividades. Não é fácil, me disse, mas enfrenta com disposição as vicissitudes dos negócios, sobretudo nesta época de crise braba.Da sua empresa não vai sair mais nem um real, me garantiu.

Outros não querem maisintegrar esquemascriminosos. A sensação deimpunidade é hoje um fio de alta tensão descascado. Quem conhece a Operação Andaime,realizada no sertão da Paraíba,sabe do que falo. É verdade que ainda persistem os descrentes no funcionamento das instituições republicanas no Brasil com cara de mudança neste começo de século XXI. Até minimizam os efeitos das grandes operações como as do Mensalão e da Lava Jato, apesar do julgamento e punição de empresários, deputados, banqueiros, ex-ministros e políticos poderosos,diretor do Banco do Brasil. Agora mesmo, com o desenrolar da Lava Jato, as punições se sucedem a cada conclusão dos processos instaurados de acordo com a metodologia de trabalho da Força Tarefa composta de dezenas de delegados, procuradores, assessores especializados em crimes contra o patrimônio público.Gente poderosa, empreiteiros,doleiros, dirigentes da Petrobrase de partidos políticos já foram condenados. 

O Brasil está mudando. 

Não tenho em mente, porém, esses processos gigantescos. Minha preocupação hoje se volta para as coisas miúdas ao nosso redor. A Operação Andaime, por exemplo, é tão somente uma entre centenas de ações, espalhadas em todas as regiões brasileiras. Como se trata de coisa pequena, comparada ao gigantismo da Lava Jato, essas operações recebem poucaatenção da mídia. O mesmo ocorre em outros estados. Uma falha do jornalismo regional.O Ministério Público, por sua vez,deveria ajudar mais. Que tal fornecer à imprensa comunicados com o resumo das principais operações nos estados do Nordeste? Prestaria mais um serviço relevante, tornando visível o desmanche de quadrilhas de assaltantes dos cofres das prefeituras. 

Quanto à Operação Andaime, aguarda-seque a Justiça e os órgãos auxiliares possam finalizar sua nobre missão, julgando e punindo os ladrões, fazendo-os devolver o fruto do roubo, colocando-os no cárcere, como o Supremo Tribunal Federalfezno Mensalão. Aí, sim é que vai faltar grana para gastar na eleição de 2016.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior

XEQUE MATE

VÍDEO: Carlos Antonio declara pela 1ª vez publicamente apoio a Júnior Araújo; “é cancela fechada”

NO CALDEIRÃO POLÍTICO NA TV

Advogado fala da profissão, discute política e diz que Luciano Cartaxo é favorito nas eleições de 2018

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com o Ministério de Louvor: Fonte de água da vida

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com