header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Padre Cícero: por que a Igreja mudou?

26/01/2016 às 19h17

Por Francisco Frassales Cartaxo

Padre Cícero morreu amargurado. Punidopelo bispo do Ceará e pela Inquisição,cerceado no exercício demuitas funções sacerdotais. Durante mais de dois terços de seus 90 anos de vida, ele lutou para ser perdoado. Seu infortúnio começou quandose propagou o “milagre” da transformação da hóstia em sangue na boca da beata Maria de Araújo, em 1889, seguidoda incontrolávelatração de fiéis a Juazeiro, formando-se a onda de fanatismo. A luta de padre Cícero para provar sua inocência foi quase inócua. 

A reparação só chegou agora, após 81 anos de sua morte. 

Pelo menos é o que se deduz do anúncio e da leitura de trechos da carta,enviada pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, ao bispo do Crato, dom Fernando Panico. A correspondência, de 20 de outubro de 2015, só foidivulgadaem dezembro, de forma parcial, sem o inteiro teor.Segundo o jornalO Povo, de Fortaleza, 30 mil pessoasouviram a leitura da carta-mensagem, feita por dom José González, ex-bispo de Cajazeiras, na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Amesma capela onde, em 21 de julho de 1934, foi sepultado o corpo do padre Cícero. Nada mais simbólico.

Todas as tentativas de obter o perdão, antes e depois de 1934, foram frustradas. Agora ocorre a mudança.Fruto de grande mobilização intelectual e de massa, a diocese do Crato requereu a “reabilitação” do padre Cícero, requisito básico para a instauração do processo de beatificação, passonecessário àsantificação. Equipe de especialistas do Vaticano interpretou que “reabilitação” equivale a recuperar as ordens suspensas, o que, à luz do direito canônico, seria ato jurídico-religiosoimpossível,posto que padre Cícero já havia falecido. 

Como solucionar o imbróglio?
Promover a “reconciliação” da Igreja com o padre Cícero. Vale dizer, trazê-lo novamente ao seio da Igreja Católica Apostólica Romana, da qual foi marginalizado pela Sagrada Congregação do Santo Ofício, em 1894, em processo formal,instruído, em parte, pela hierarquia católicabrasileira, fonte de informações e avaliaçõesnegativas.A história desse intrigante episódio histórico registra a influência decisivade, pelo menos, duas autoridades eclesiásticas: dom Joaquim José Vieira, bispo do Ceará, e dom Joaquim Arcoverde. Este, contemporâneode Cícero no colégio do padre Rolim, de Cajazeiras, na década de 1860.

Então a Igreja mudou?
Mudou. A Igreja oficial mudou. Demorou, mas fez omea culpa. Veja-se este trecho da carta do chanceler do Vaticano: “Mas é sempre possível, com a distânciado tempo e o evoluir das diversas circunstâncias, reavaliar e apreciar as várias dimensões que marcam a ação do Padre Cícero como sacerdote e, deixando à margem os pontos controversos, pôr em evidência aspectos positivos de sua vida e figura, tal como é atualmente percebida pelos fiéis. É inegável que o Padre Cícero Romão Batista, no arco de sua existência, viveu uma fé simples, em sintonia com o seu povo e, por isso mesmo, desde o início, foi compreendido e amado por este mesmo povo”.

A longa carta, escrita por recomendação do Papa Francisco, ainda não foi divulgada na íntegra. Lamentável. Afinal, o documentomexe em fatos históricos que transcendem às fronteiras da Igreja.Mexe com as pessoas, fiéis ou não. Por isso, é preciso saber mais a respeito do olhar supremo, atual,daIgrejaoficial, quemudou para ajustar-se ao sentimento e a fé do povo. Para este o padre Cícero já era santo.Desde sempre.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente

MARIA CALADO NA TV

Com muita irreverência, banda Gata Dengosa estoura a audiência no programa Maria Calado na TV; ASSISTA!

ENTREVISTA

VÍDEO: Artista sousense que impressionou o público com suas pinturas fala sobre sua obra e trajetória

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com