header top bar

section content

Matadouro da Bahia inicia abate de jumentos e mata 300 animais já no primeiro dia de funcionamento

Atividade é incentivada pelo governo local.

Por Luzia de Sousa

22/07/2016 às 08h23 • atualizado em 22/07/2016 às 09h16

Pouco comum no Brasil e rejeitado pela maioria da população, o abate de jumentos de forma legalizada começou a acontecer na Bahia na última segunda-feira (11).

O Frigocezar pretende abater 3 mil jumentos no primeiro mês de funcionamento dessa atividade. O matadouro fica em Miguel Calmon, uma cidade com pouco mais de 26 mil habitantes localizada no centro-norte do estado da Bahia, distante 360 km de Salvador.

Segundo uma reportagem do jornal local Agora Na Bahia (confira aqui), o objetivo do abate é a exportação do couro para a China. A carne, nesse caso, será um produto de descarte e vai ser doada para o zoológico de Salvador.

Os chineses têm interesse no couro dos jumentos para a fabricação de cosméticos. Seguindo uma cultura de medicina com milhares de anos, alguns chineses acreditam que produtos de beleza fabricados com a raspagem do couro de jumentos faz bem à saúde humana. Como na China há poucos jumentos, os empresários vieram para o nordeste brasileiro buscar, já que aqui há um excedente de animais.

Os jumentos foram explorados por gerações para o transporte de carga e transporte de pessoas, especialmente na região nordeste. Com a chegada de automóveis e motos cada vez mais acessíveis à população, os jumentos começaram a ser abandonados.

O controle de natalidade é inexistente e eles se multiplicam às beiras das estradas, tornando-se um problema para a população. O problema, vale ressaltar, teve início na exploração histórica desses animais.

Como mais uma forma de exploração, vender a pele dos jumentos para a China pareceu algo lucrativo e fácil para o matadouro Frigocezar e também para o governo da Bahia.

Ainda segundo a reportagem do Agora Na Bahia, o abate de jumentos divide a opinião da população local. “Animais sagrados, usados pela família de Jesus Cristo e que não deveriam ter um fim tão triste.” – lamentou uma dona de casa. Outro morador opinou que é a favor, comparando o novo tipo de abate ao abate de gado. “É a mesma coisa. Se tivesse que ter pena a gente ia comer o quê?” – disse.

Inicialmente, o Frigocezar vai matar jumentos apenas às segundas-feiras – nos outros dias mata gado e outros animais –, mas já estuda dedicar também os sábados à atividade. Em março deste ano, o governador da Bahia esteve na China e afirmou que a ideia é que o abate de jumentos chegue a 700 animais por dia (veja aqui). Portanto, o abate de jumentos é legalizado e incentivado pelo governo baiano.

Fabio Chaves
Do Vista-se

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!