header top bar

section content

Relator da comissão no Senado apresenta hoje parecer sobre impeachment de Dilma

Antonio Anastasia já se manifestou favorável à continuidade do processo de impedimento da presidente; previsão é que o relatório seja votado no colegiado nesta sexta-feira

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

04/05/2016 às 13h14

O relator Antônio Anastasia (PSDB/MG) durante reunião de trabalho da Comissão do Impeachment do Senado Federal, em Brasília (DF)(Jefferson Rudy//Ag. Senado)

O relator da comissão especial do impeachment no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresentará nesta quarta-feira o parecer sobre a admissibilidade ou não do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A sessão destinada à leitura do relatório está marcada para as 13h30.

Se os trabalhos acontecerem dentro do previsto, o veredicto será apreciado pelo colegiado nesta sexta-feira. Independente do resultado, ele será enviado ao plenário do Senado num prazo de 48 horas. Como há um final de semana no meio, a expectativa é que o relatório seja votado no plenário na próxima quarta-feira, dia 11 de maio. Caso seja aprovado por maioria simples (metade mais um dos presentes), o que tem se mostrado cada mais provável, a presidente é afastada do cargo e o vice Michel Temer assume o seu lugar.

Apesar de ter evitado comentar sobre o texto, Anastasia já se declarou favorável à continuidade do pedido de impedimento da presidente. O seu parecer deve levar em conta primordialmente os dois pontos que embasam a acusação contra Dilma por crime de responsabilidade: a prática de pedaladas fiscais no Plano Safra e a liberação de crédito suplementar sem aval do Congresso.

Nesta terça-feira, refutaram a tese de que houve dolo por parte de Dilma nas manobras fiscais e repetiram o mantra do governo de que o impeachment se trata de um “inconformismo eleitoral” da oposição. O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Marcello Lavenère recorreu ainda à retórica do medo ao dizer que a saída de Dilma coloca em risco programas sociais e direitos trabalhistas.

Na segunda-feira, os especialistas convidados pela oposição reforçaram a tese de que as pedaladas fiscais configuram crime de responsabilidade, o que dá fundamentação jurídica ao processo. O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira ainda acusou o governo de ter praticado “contabilidade destrutiva” ao maquiar as contas públicas para omitir a situação de penúria do Estado nas eleições de 2014. “O Brasil foi vítima de estelionato eleitoral”, disse ele, na ocasião.

Veja

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’