header top bar

section content

Lutador da UFC Minotouro “comemora” que rival não é Shogun

Cria da Brazilian Top Team, atleta da Team Nogueira brinca sobre enfrentar atleta estrangeiro em Curitiba: "Imagina, 45 mil, se estivesse lutando contra o Shogun"

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

10/05/2016 às 11h26

Rogério Minotouro brincou sobre fato de não enfrentar Shogun em Curitiba (Foto: André Durão)

A rivalidade entre a Chute Boxe, de Curitiba, e a Brazilian Top Team (BTT), do Rio de Janeiro, marcou época no MMA na época do Pride. Neste sábado, no UFC 198, alguns atletas oriundos da equipe paranaense encabeçam o evento, como Fabricio Werdum, Anderson Silva e Mauricio Shogun. Porém, Rogério Minotouro, que fez seu nome na BTT, é um dos brasileiros escalados para o card. O atleta da Team Nogueira, que vem de revés justamente diante de Shogun, brincou ao comemorar o fato de não ter que enfrentar o compatriota. Na ocasião, ele enfrentará o americano Patrick Cummins.

– Curitiba, é engraçado, pois estive bastante lá, temos bastante fãs em Curitiba, é uma cidade que gosta muito de lutas e nunca tinha tido um evento como este. Curitiba é uma das melhores cidades do país, tem estrutura para tudo – transporte, hotel – é uma cidade bem organizada, um povo muito educado, e tem essa tradição da Chute Boxe x BTT. Os caras abriram portas para o esporte, com Wanderlei Silva, grande ídolo, Shogun, o próprio Anderson, apesar de ser paulista, morou a vida toda lá, a família é de lá, então são pessoas que cresceram o esporte lá. A cidade ama, respira esporte, e será minha primeira vez lutando lá, é uma honra e vou estar com a torcida ao meu lado desta vez. Imagina, 45 mil, se eu estivesse lutando contra o Shogun, a pressão seria maior! Ainda bem que botaram um gringo desta vez (risos) – disse Minotouro.

Apesar da relação amistosa com Shogun fora da luta, a rivalidade dentro do ringue ou do octógono foi grande. Nas duas vezes que se encontraram, Minotouro saiu derrotado por decisão unânime. A primeira, em 2005, no Pride, entrou para a história do MMA como um dos melhores confrontos da história. No ano passado, no UFC 190, no Rio de Janeiro, eles fizeram a revanche e novamente não decepcionaram o público, mas o atleta da Team Nogueira revelou que perdeu o sono por alguns dias com o novo revés.

– Incomodou bastante (a derrota para o Shogun), para falar a verdade. Eu fiquei pelo menos uns 15 dias sem dormir direito. Uma semana sem pregar o olho! Mas você também não pode querer mudar o que aconteceu. Na primeira semana fiquei pensando nisso, e me deu uma desmotivação muito grande para voltar a treinar, mas depois foi bola pra frente. Depois de uma semana voltei a treinar forte, vi que estava em grande fase, voltei a me motivar de novo, e nesse meio tempo tive uma lesão pequena nas costas de novo. Fiquei me tratando, e, em janeiro, voltei a treinar. Foi um tempo bom, cinco meses de treino intenso para poder voltar para esta luta. Mas realmente o Shogun foi uma pedra no sapato – admitiu.

Depois da derrota para Shogun, a segunda seguida, já que vinha de resultado negativo contra Anthony Johnson, Minotouro precisou tratar uma lesão na coluna, mas garante que já está recuperado e pretende lutar por mais dois anos pelo menos. Sem vencer desde 2013, quando bateu Rashad Evans por pontos, o brasileiro aposta que seu boxe e muay thai farão a diferença a seu favor diante de Cummins, e acredita que as joelhadas podem surpreender o americano, especialista em wrestling.

– Ajuda já saber que ele vem para tentar derrubar. Já venho lutando com wrestlers há muito tempo.Teve o Ryan Bader, Phil Davis, Tito Ortiz, Rashad Evans, são todos caras muito bons de wrestling, e isso me deu uma bagagem grande nos últimos quatro anos de treinamento em cima desse jogo. Acho que o Cummins lutou bem com o Glover. Na possibilidade dele, como um atleta que não é da trocação, não tem o mesmo boxe do Glover, não tem o histórico de nocautes, ele até fez uma luta boa na parte de trocação, aguentou bastante. O Glover castigou com o upper, foi uma luta que mostrou o que ele pode abrir na trocação. Mostrou também que ele tem a queda em dia, porque o Glover tem uma boa defesa e pouca gente o derrubou daquele jeito. Acho que só o Phil Davis conseguiu. É um cara que tem o wrestling afiado, mas o Glover também se levantou e mostrou que tem possibilidades de se levantar.

Mesmo caindo por baixo, não se frustrou, ficou tranquilo, voltou, e tudo isso foi frustrante para o Cummins, até que ele ficou preguiçoso, não conseguiu mais botar para baixo e teve que tomar porrada em pé. Como aconteceu comigo contra o Rashad. Teve uma hora que ele me derrubou, e me levantei rápido, não me frustrei. A possibilidade de fazer uma luta como a do Glover é grande, se ele aceitar a trocação. Se ele quiser entrar em queda, vamos ter que fazer bastante defesa – finalizou.

Sportv

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!