header top bar

section content

LINDAS: Mulheres da PM intensificam o combate ao crime nas ruas de Cajazeiras e revelam que ainda há preconceito da sociedade – VÍDEO!

No Dia Internacional da Mulher, reportagem mostra dia a dia das mulheres em uma das profissões cujos homens predominam

Por Jocivan Pinheiro

08/03/2017 às 19h04 • atualizado em 09/03/2017 às 10h20

No Dia Internacional da Mulher, a nossa reportagem foi conhecer o dia a dia das mulheres em uma das profissões cujos homens predominam e, por isso, ainda há muito tabu a ser quebrado. A TV Diário do Sertão esteve na sede do 6º Batalhão de Polícia Militar em Cajazeiras e conversou com a soldado Adriane Chaves, de 33 anos, dez deles dedicado à PM; e a aluna do Curso de Formação de Soldados Carolina Gonçalves, de 26 anos.

Soldado Adriane Chaves a aluna Carolina Gonçalves

Tanto Adriane como Carolina vestem a farda da PM por vocação. Elas dizem que estão felizes na profissão, comemoram o crescimento do número de mulheres nas polícias, mas ressaltam que ainda há muito preconceito e que esse preconceito parte mais da sociedade do que dos colegas policiais.

– Isso vem mudando, até porque as mulheres vêm dando a resposta pra isso, atuando em ocorrências que qualquer homem atua. Nossa formação é a mesma, a gente realiza as mesmas instruções, faz as mesmas atividades. Mas hoje ainda existe uma certa surpresa nas pessoas. Quando veem uma policial numa viatura, existe aquele olhar de questionamento: será que ela é capaz? Ainda existe, porém muito menos que antigamente – afirma a soldado Adriane Chave.

– A população ainda se assusta um pouco com a presença feminina, com a farda, por ser uma profissão pioneira masculina, mas existe também muito respeito – pondera a aluna Carolina Gonçalves.

Adriane e Carolina na viatura da PM

Ao compararem a profissão de policial com outras atividades exercidas também por mulheres paralelamente à vida doméstica, Adriane e Carolina destacam pontos positivos e dificuldades, mas avaliam que não há tanta diferença.

– Lógico que temos as peculiaridades da nossa profissão, mas é um dia a dia de qualquer profissional. Executamos as diversas modalidades que a polícia dispõe. É o dia a dia de uma mulher qualquer, que acorda de manhã, realiza sua higiene, cuida dos seus filhos, vem trabalhar, encerra seus serviços com toda a honra e vai para casa cuidar da sua família – disse a soldado.

– É prazeroso por eu estar fazendo uma profissão que eu desejei, mas também é complicado porque o dia é bastante corrido. A saudade da família também é grande. Mas é bastante prazeroso porque eu estou fazendo o que realmente desejei – destaca a estudante.

A soldado Adriane ainda completa: “A gente vem galgando muitas graduações dentro da corporação, e a sociedade precisa de uma policial. É uma profissão que ainda hoje é muito respeitada. Quando você vê a dedicação dos policiais no dia a dia, você tem vontade de estar lá participando e também ter um pedacinho disso.”

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan