header top bar

section content

Radialista denuncia tentativa de ‘cala boca’; Vereador confirma título de “Persona Non Grata” VEJA

O radialista relatou na postagem que o suposto requerimento do vereador é uma tentativa de amordaçá-lo. Confira tudo aqui!

Por Luzia de Sousa

09/11/2016 às 18h45 • atualizado em 10/11/2016 às 14h24

F. Dunga revela que poderá receber título de Persona Non Grata

O radialista F. Dunga, natural de São João do Rio do Peixe e atuante da imprensa de Cajazeiras, publicou nessa terça-feira (8) no seu site de notícias que o vereador reeleito Webster Muniz (PP), apresentaria um pedido à câmara de “Persona Non Grata” ao profissional do Rádio.

+ Região de Cajazeiras: Presidente de Câmara é destituído do cargo e 1º Secretário assume

Segundo a postagem do radialista, o motivo teria sido a denúncia apresentada por ele contra o presidente da Casa destituído, o vereador Francisco Cleite Pereira (Côca de Zé Déo-PP), que teria de passado “cheques sem fundos [da Câmara Municipal] para agiotas”.

No mês de outubro, os vereadores destituíram o presidente, empossaram o vice, Antônio Luiz de Sousa, (Toinho do Gravatá-PSDB), que renunciou no dia seguinte e acabou assumindo o cargo o primeiro Secretário, o vereador reeleito, Luiz Claudino (PSDC).

Procurado pela reportagem, o radialista não atendeu as ligações, mas relatou na postagem que o suposto requerimento do vereador é uma tentativa de amordaçá-lo.

O outro lado
O caso gerou polêmica e F. Dunga recebeu a solidariedade de vários colegas de imprensa. O vereador participou de uma Rádio local nesta quarta-feira (9), confirmou que solicitou o título de “Persona Non Grata”, mas negou que a motivação tenha sido as denúncias contra o ex-presidente.

Segundo Muniz, a motivação de requer o título para o radialista foi após a destituição do presidente, F. Dunga ter declarado em seu programa de Rádio que há mais vereadores envolvidos e não ter citado nomes.

“É mentira dele. É falta de honestidade”, atacou o vereador.

Liberdade de imprensa
A prerrogativa jornalística em utilizar o sigilo da fonte foi uma inovação trazida pela Lei de Imprensa, nos seus artigos 7º, caput e 71, ao disporem que será assegurado e respeitado o sigilo quanto às fontes ou origem de informações recebidas ou recolhidas por jornalistas, rádio repórteres ou comentaristas, os quais não poderão ser compelidos ou coagidos a indicar o nome de seu informante ou a fonte de suas informações, não podendo seu silêncio, a respeito, sofrer qualquer sanção, direta ou indireta, nem qualquer espécie de penalidade.

DIÁRIO DO SERTÃO

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe