header top bar

section content

Fisioterapeuta chegou ao Hospital Regional de Cajazeiras muito mal; Ela teria sido acometida de infecção abdominal gravíssima. CONFIRA!

A fisioterapeuta era proprietária de uma clínica para tratamento dermato funcional, no centro de Cajazeiras e muito querida por amigos e colegas.

Por Luzia de Sousa

18/05/2017 às 11h10 • atualizado em 18/05/2017 às 15h00

Valéria Medeiro (Foto: Arquivo Pessoal)

Faleceu no Hospital Regional de Cajazeiras nesta quinta-feira (18), a fisioterapeuta especializada em Dermato Funcional, a cajazeirense Valéria Medeiros, 25 anos.

De acordo com informações repassadas a reportagem do Dário do Sertão, a fisioterapeuta estava realizando um tratamento por ser acometida da síndrome de Crohn, que é uma doença inflamatória séria do trato gastrointestinal.

A fisioterapeuta era proprietária de uma clínica para tratamento dermato funcional, no centro de Cajazeiras e muito querida por amigos e colegas.

As informações dão conta que a jovem passou mal em casa e foi socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento, em seguida transferida para o HRC, onde chegou muito mal e sem sinal de pressão arterial.

O Crohn afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon), mas pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal.

Ele teria tido seu quadro clínico agravado após tratamento de uma necrose em parte do intestino e teve infecção abdominal gravíssima, o que teria a levado a óbito.

O local de velório e sepultamento da jovem ainda não foram definidos.

DIÁRIO DO SERTÃO com informações do Polêmica Paraíba

FUTEBOL PARAIBANO SOB INVESTIGAÇÃO

Diário Esportivo comenta os desdobramentos da operação que investiga possível manipulação no Paraibano

INTERVIEW

VÍDEO: Médico cajazeirense referência na PB critica colegas que só querem ‘enricar’ com medicina

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Mensagem de Esperança com Nelson Dantas e Maria Vitória

NO CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Vereador diz que conseguiu verba e ambulância para hospital de São João do Rio do Peixe