header top bar

José Antonio

section content

Engenheiro Ávidos ou Avidos?

01/02/2019 às 11h12

Coluna de José Antônio

Emmanoel Rocha Carvalho, em seu livro “Barragens de Curema e Mãe D’água – Nos bastidores da Construção”, traz um capítulo especial, sob o título: “Engenheiro Ávidos: a dissipação de uma dúvida” e cita: “graças ao esclarecimento prestado por José Carlos Lima Verde, desfaz-se, para mim, a dúvida da pronúncia do sobrenome do engenheiro que deu nome ao Açude Piranhas. Acredito que esta informação é importante para elucidar tantas posições divergentes, especialmente aqui na Paraíba, a respeito. Para uns, a pronúncia é Avidos para outros, é Ávidos. Pois bem, segundo informações passada para Isaias Lima Verde – que havia trabalhado com o engenheiro Moacir Ávidos na barragem de Piranhas – ao filho José Carlos, a pronúncia (e grafia) correta é Ávidos”.

Com todo o respeito ao belo trabalho de pesquisa realizado por Emmanoel Carvalho, permita-me discordar desta conclusão, porque também tive a preocupação de dirimir esta dúvida com relação à grafia e pronúncia do sobrenome do engenheiro Moacyr e fui buscar informações nos arquivos do DNOCS, em trabalhos escritos sobre ele, legendas de fotografias, além de pedir ajuda a alguns amigos, dentre eles a jornalista Cristina Moura, que reside em Vitória, Espírito Santo, onde trabalha e atualmente faz doutorado, terra de nascimento de Moacyr, aonde foi prefeito, com relevantes serviços prestados a sua terra natal, por quase uma década, mas quis o destino que ele, pelos conhecimentos que possuía sobre construção de barragens, depois de passar por Orós, foi designado para a de Piranhas, aonde foi acometido por uma doença que o levou a óbito, com apenas 33 anos de vida.

Por que é Avidos e não Ávidos? O nosso maior historiador, Deusdedit Leitão, em seu livro: “São José de Piranhas – Notas para a sua História”, no capitulo que dedica à construção do Açude Piranhas, descreve: “… Dr. Lauro de Mello Andrade, afastado da chefia dos trabalhos por motivo de doença, em outubro de 1932, foi substituído pelo Engenheiro Moacyr Monteiro Avidos, que faleceu a 15 de dezembro daquele ano, vitimado pela epidemia de tifo-disintérica que dizimou grande parte daquela improvisada população”. Em nenhum trabalho escrito de Deusdedit ele põe o acento em Avidos.

Na Biblioteca do DNOCS, em Fortaleza, vi vários documentos e uma biografia sobre Moacyr e em nenhum encontrei o sobrenome com o acento agudo na letra “A”, de Avidos e o mais importante: em uma fotografia dele está legendado: Dr. Moacyr Monteiro Avidos.

A jornalista Cristina Moura, que reside em Vitória, Espírito Santo, também interessada sobre o assunto, em recente visita, para a minha alegria, me reafirmou que a família Avidos tem relevante proeminência política naquele estado, aonde o engenheiro ainda tem parentes próximos vivos e me assegurou que vai gravar umas entrevistas com pessoas da família Avidos, provavelmente originada de terras portugueses, onde deverão confirmar a pronúncia correta.

Nasci naquele Distrito e ainda criança e adolescente ouvia de seus antigos moradores e principalmente de meus pais que a pronúncia é Avidos. Foi assim que aprendi e até hoje continuo usando a sonoridade e a grafia: Avidos.

Fica até estranho se usar um adjetivo, ávido, como sobrenome de família, já que se refere ao que se “deseja com muita intensidade”, ou seja, uma vontade extremamente forte de conquistar, ganhar ou fazer algo. Etimologicamente, a palavra ávido, surgiu a partir do latim “avidus”, que significa “avidez”, “desejo” ou “cobiça”

Então, diante de tantos questionamentos, sempre que alguém me ouvia falar Avidos e não Ávidos, resolvi escrever sobre este assunto. Esta atitude são os novelos, que toda a pessoa que pesquisa, gosta de desfiar para tecer com detalhes, arrancando daqui, dacolá e alhures os itens necessários para chegar a alguma conclusão. Tudo isto por causa de um simples acento agudo.

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

Recomendado para você pelo google

POBREZA EXTREMA

VÍDEO: Desempregada, doente e grávida, mulher faz apelo por ajuda em Cajazeiras para não passar fome

ESTUDO INÉDITO

VÍDEO: Expedição da FSM vai explorar o Nordeste para resgatar saberes populares sobre plantas medicinais

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Após fazerem as ‘pazes’, Jeová e Júnior vão dividir cargos na saúde com Estela, diz comentarista

ECOTROTE

VÍDEO/FOTOS: Trote diferente da Faculdade Santa Maria conscientiza novatos a cuidarem do meio ambiente

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br