header top bar

section content

Advogado de Sousa agradece e parabeniza pai após matar acusado de roubo.Salvou-me

“Infelizmente fui salvo por meu pai, que reagiu rápido, se não o morto era eu, obrigado mais uma vez meu pai, meu herói, meu melhor amigo.” Postou ele

Por

26/09/2015 às 17h00

O acusado invadiu a residência do advogado para furtar e acabou morto com um tiro

O advogado sousense Marcos Aurélio usou seu Facebook para agradecer ao pai, o funcionário público, Francisco Florêncio da Silva, conhecido também como “Assis da Cagepa”, após a tentativa de roubo na madrugada deste sábado (26), que resultou na morte de Ronaldo Mão Ligeira. 

*Bandido invade casa de advogado para fazer roubo, mas acaba morto em Sousa. Fotos!

O acusado invadiu a residência do advogado para furtar e acabou morto com um tiro desferido por “Assis da Cagepa”, enquanto o filho estava em luta corporal com o bandido armado com uma faca.

Na sua postagem, Marcos Aurélio agradeceu ao pai : “Parabéns meu pai, mais uma vez o senhor mim deu a vida novamente, meu melhor amigo e minha vida obrigado…”.

Aurélio comemorou e comentário sobre o fato lamentável ocorrido em sua residência. “Infelizmente fui salvo por meu pai, que reagiu rápido, se não o morto era eu, obrigado mais uma vez meu pai, meu herói, meu melhor amigo.”

Entenda
A onda de roubos e furtos continua aumentando com frequência na cidade de Sousa, mas dessa vez, os criminosos se deram mal durante uma tentativa de assalto e um deles foi morto a tiros após invadir a casa do advogado Marcos Aurélio, que fica localizada no bairro São José.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo traz resumo da 2ª rodada do Paraibano e detalhes da nova contratação do Atlético

COM CHICO CARDOSO

VÍDEO: ‘Briga’ entre Zé Aldemir e Airton, e Tyrone com os Gadelhas são os destaques do Direto ao Ponto

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Advogadas tiram dúvidas sobre Previdência Social e criticam atendimento no INSS de Cajazeiras

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Júnior e Jeová começam a ganhar cargos em Cajazeiras e “sinal vermelho foi ligado”, diz colunista