header top bar

section content

Renda variável: o que é e como funciona

O investidor, porém, precisa estar ciente de como a renda variável funciona, bem como as características que cada possibilidade oferece.

Por Portal Diário

24/01/2020 às 16h43 • atualizado em 24/01/2020 às 16h45

Renda variável: o que é e como funciona

Com a queda da taxa SELIC o brasileiro começou a descobrir o mercado de ações. Em 2019 o número de investidores cadastrados na Bovespa subiu mais de 100% atingindo quase 1,7 milhões de investidores. E o número de investidores na bolsa ainda tem muito para crescer, pois apenas 2% dos brasileiros economicamente ativos investe em bolsa. Em países de economia semelhante este percentual costuma ser superior a 30%.

Ao contrário do que muitos podem imaginar, não é uma classe de investimentos reservada a especialistas no mercado financeiro ou para quem dispõe de grandes somas para fazer uma aplicação.

O investidor, porém, precisa estar ciente de como a renda variável funciona, bem como as características que cada possibilidade oferece.

O que é renda variável

Chamamos de renda variável os investimentos em ações. Existe uma percepção de que investir em renda variável é muito arriscado, porém, vamos pensar um pouco, investir na bolsa é se tornar sócio das maiores empresas do mundo.
Será que é tão arriscado assim?

Ocorre que os preços das ações variam muito e se você precisar vender em um período de baixa você pode perder dinheiro. Mas se você tiver uma estratégia de comprar várias ações diferentes e entrar aos poucos e sair aos poucos o risco é baixo.

Produtos de renda variável

Comparada à renda fixa, a renda variável oferece mais risco, porém, é uma classe de investimento que pode ser bastante lucrativa.

Antes de optar por qualquer modalidade da renda variável, o investidor deve fazer uma análise sobre o quanto de risco está disposto a correr e, desta forma, ajustar seu plano de investimento.

A opção mais conhecida de renda variável são as ações. Elas representam a menor parte de uma companhia. Ao comprar ações de uma empresa, o investidor torna-se sócio dela. A partir de então, deve acompanhar de perto as estratégias da administração, bem como as oscilações do mercado e as variáveis que podem influenciar no seu preço da ação.

O preço desse tipo de ativo sofre variações o tempo todo e é influenciado por fatores macroeconômicos como a economia, política, assim como variáveis setoriais, características do mercado de atuação da companhia.

Nesse tipo de investimento, os envolvidos podem lucrar com a venda das ações e com o recebimento de dividendos. Quando uma empresa tem lucro ela precisa decidir se vai utilizar este dinheiro para crescer ou se vai dividir este dinheiro com os acionistas. Esta divisão se chama de dividendo. Existem empresas que pagam dividendos mensais trimestrais, semestrais ou anuais. Grande parte dos acionistas não se preocupa com as oscilações do dia-a-dia, apenas espera os dividendos.

Além das ações, o mercado oferece outras opções de renda variável como derivativos, ETFs (Exchange Traded Funds) também conhecidos como fundos de índice, commodities, moedas e fundos imobiliários.

Os derivativos são contratos que derivam ou dependem do comportamento de outro ativo, podendo ser físicos como as commodities (como café, milho, soja etc.) ou financeiros (taxa de juros, ações, câmbio etc.). Essa modalidade é sugerida para investidores mais agressivos e com maior conhecimento do mercado.

Os ETFs são fundos negociados na Bolsa de Valores que tem como base o comportamento de determinado índice. Por serem compostos por diferentes índices, é possível acessar diversos mercados ao mesmo tempo, o que facilita a diversificação das aplicações.

As commodities são produtos como café, petróleo, ouro, soja, etanol etc. Ao aplicar nessa modalidade, o investidor protege o preço de determinado produto de oscilações que podem ocorrer no futuro.

Ao optar por moedas, o investidor compra uma moeda estrangeira e lucra com sua variação. Vale ressaltar que trata-se de um investimento com maior grau de risco, pois sua volatilidade é grande.

Os fundos imobiliários são investimentos em condomínio; ou seja, com ajuda de um gestor profissional, um grupo de pessoas se junta para investir em ativos imobiliários, como prédios, shoppings e galpões, lucrando com aluguéis, por exemplo.

Investindo em ações

Investir em ações na Bolsa de Valores oferece vantagens e desvantagens. Por isso o investidor deve buscar informação para conhecer a fundo cada aspecto dessa modalidade. Os papeis das empresas são adquiridos via Internet por meio do home broker, uma ferramenta das plataformas de investimento que faz conexão entre o investidor e a Bolsa.

Como investir em renda variável

Cada produto de renda variável possui características próprias que podem ser mais ou menos favoráveis ao investidor. Tudo depende dos objetivos e da tolerância ao risco, ou seja, do perfil do investidor.

Para quem deseja investir em renda variável, mas têm receio de perder dinheiro ou não sabe por onde começar, contar com ajuda especializada traz grandes benefícios e oferece mais tranquilidade.

Hoje em dia, existem muitas ferramentas, cursos e livros com o objetivo de ajudar o investidor a dar o primeiro passo. As corretoras de valores têm exercido papel fundamental nesse cenário. Cabe a quem deseja aplicar em renda variável buscar por uma instituição confiável e que preste bom atendimento e taxas de administração mais baixas.

Recomendado para você pelo google

SITUAÇÃO CRÍTICA

VÍDEO: Chuva expõe falta de infraestrutura em ruas de Cajazeiras: “A cidade está na UTI”, diz vereador

PÂNICO

VÍDEO: motorista tenta atravessar ponte e acaba arrastado pela correnteza, na região do Vale do Piancó

CHOVEU AÍ?

VÍDEO: Chuva alaga ruas, invade casas e estacionamento de supermercado em Sousa

MUITA ÁGUA

VÍDEO: rios e barreiros transbordam após fortes chuvas em várias regiões do Sertão da Paraíba