header top bar

string(11) "show-diario"

section content

Enfrentar seus medos é melhor do que oprimi-los, diz estudo

Nova pesquisa, publicada na 'Science', indica que relembrar situações traumáticas ajuda a superá-las

Por Veja

16/06/2018 às 08h53 • atualizado em 15/06/2018 às 15h56

Segundo estudo, ativação dos neurônios ligados a uma memória amedrontadora ajuda a superar o medo

Frente à lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los.

Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado na revista Science aponta que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o final da vida. Casos mais extremos, como de estresse pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.

Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.

Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a serem exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, a auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.

Fonte: https://veja.abril.com.br/ciencia/enfrentar-seus-medos-e-melhor-do-que-oprimi-los-diz-estudo/

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Diversidade em Foco com professor de Português destaca as variações da nossa língua

HERANÇA ARTÍSTICA

VÍDEO: Filho de grande nome da música brasileira agita a Festa do Brega no Cajazeiras Tênis Clube

EM JOÃO PESSOA

VÍDEO E FOTOS: Posse da nova diretoria da API é marcada por repentes, lançamento de livro e emoção

DUPLA CERIMÔNIA

VÍDEO: OAB lança em Cajazeiras as chapas para as eleições da Seccional Paraíba e da Subseção local