header top bar

section content

Mulher morre após levar arranhão de seu cachorro

Saiba como um pequeno arranhão de cachorro pôde levar uma idosa de 72 anos à óbito

Por Dicas Online

27/08/2019 às 09h30

Carol Parsons tinha 72 anos (Foto: Daily Mail)

Carol Parsons tinha 72 anos e vivia tranquilamente na Inglaterra. Para ela, era apenas mais um dia comum, em que ela brincava com o cão-guia de seu marido. Porém, ela não imaginava que uma simples arranhão poderia levá-la à morte.

Tudo aconteceu por causa de uma brincadeira com um cachorro educado, dócil e treinado. Além disso, era muito bem cuidado, como um filho para a família. Bastou um minutinho de descuido, tendo com o resultado dois arranhões que lhe custaram a vida.

Arranhão de cachorro leva idosa à morte
Em meio a essa brincadeira, Carol sofreu dois arranhões que não a mataram instantaneamente, mas provocaram um quadro de infecção generalizada. Acontece que ela já possuía estreptococos do grupo A presentes em sua pele, como todas as pessoas. Os arranhões apenas favoreceram a contaminação, abrindo uma passagem para esses agentes.

Para que você tenha uma ideia do que houve, esse tipo de bactéria da flora natural é o mais patogênico e pode gerar consequências muito danosas. Ele pode levar a doenças como infecções do sangue, pneumonia, escarlatina, reumatismos e morte em torno de um mês após a penetração no organismo.

Vale destacar que o cão não era portador dessa bactéria, e sim Carol. Ela tinha, em quantidade normal, os estreptococos A, porém sua imunidade estava muito baixa. Logo, assim que a ferida foi aberta, criou-se um canal de infecção para que a bactéria entrasse no organismo, infeccionando a idosa.

Infecção generalizada
Infelizmente, Carol contraiu sepse com o arranhão. Ela é resumidamente uma infecção generalizada, que leva a uma resposta do organismo, que danifica os seus próprios tecidos e órgãos. Seus principais sintomas são o aumento do ritmo dos batimentos cardíacos, da frequência respiratória, febre e confusão referente a funções mentais. Por fim, esse quadro resultou na falência múltipla dos órgãos, o que levou a idosa à óbito.

Notou-se que dias depois do ocorrido, Carol começou a sentir câimbras e ficou doente, de um modo que seu marido tivesse que levá-la às pressas para o hospital. O diagnóstico era preocupante: a pressão arterial da idosa estava muito baixa e a vida dela estava em jogo, sendo colocada sob o controle de antibióticos em torno de uma hora após o exame.

Ela não conseguiu resistir ao tratamento e faleceu em um ataque cardíaco, um dos sintomas da sepse. Isso levou os seus entes queridos a uma tristeza profunda, já que ela era uma pessoa incrivelmente amada pelas pessoas a seu redor, devido a sua personalidade.

Assim, é importante que se reflita sobre os riscos da sepse que é responsável por diversas mortes anuais e sobre a brevidade da vida que pode ser expirada a qualquer momento. É importante que haja demonstrações de amor com pessoas queridas e uma conduta que leva à paz, sem brigas e intrigas. Lembre-se que nunca se sabe qual vai ser o último momento que se pode ter com um ente querido. Já abraçou alguém hoje? Nunca é tarde para aproveitar a vida!

Fonte: Dicas Online - https://www.dicasonline.com/mulher-morre-apos-levar-arranhao-de-seu-cachorro/

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Secretário de João Azevêdo defende aproximação de Dra Paula e Zé Aldemir ao Governo estadual

BRIGA NO CARNAVAL

VÍDEO: Autoridades policiais revelam que suspeitos do crime na Vila Nova em Cajazeiras alegaram vingança

SAÚDE

VÍDEO: Mensagem Empresarial recebe médico radiologista e tira dúvidas sobre os exames por imagem

CRISE NO PSB

VÍDEO: Nonato Bandeira evita dar resposta a Ricardo por determinação de João Azevêdo: “Estamos focado no trabalho”