header top bar

section content

TUDO NOVO: Davi Alcolumbre do DEM evita retorno de Renan e é eleito presidente do Senado

Renan desistiu de corrida eleitoral e 'proclamou' vitória de Davi Alcolumbre, do DEM; senadores optaram por voto em cédulas após Dias Toffoli proibir votação aberta – mas voto duplicado provocou também confusão no pleito

Por Último Segundo

02/02/2019 às 19h30 • atualizado em 02/02/2019 às 19h32

Davi Alcolumbre durante a sessão para eleição da presidência do Senado (Geraldo Magela/Agência Senado - 2.2.19)

Davi Alcolumbre (DEM-AP), aos 41 anos de idade, é o novo presidente do Senado Federal. Ele foi eleito neste sábado (2) com 42 votos, ainda no primeiro turno, em uma eleição que se arrastou por dois dias e foi marcada por impasses, interferência do Judiciário, bate-bocas e pela desistência de Renan Calheiros (MDB-AL) já durante o andamento da eleição para a presidência do Senado.

Alçado do baixo clero e quase anonimato diretamente à presidência do Senado , Alcolumbre teve apoio silencioso de integrantes da equipe do governo Jair Bolsonaro (PSL) e conseguiu concentrar os votos daqueles que tentavam evitar o retorno de Renan. Sua vitória põe o partido Democratas à frente das duas casas que compõem o Congresso, uma vez que Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi reeleito pelos deputados .

O democrata superou quatro adversários na votação desta tarde: Fernando Collor (PROS-AL), que recebeu 42 votos; Angelo Coronel (PSD-BA), que teve 8; Esperidião Amin (PP-SC), escolhido por 13 colegas; e Reguffe (Sem partido-DF), que ficou com 6 votos. Renan, antes de desistir, somou 5 votos.

Em seu discurso após a vitória, Davi Alcolumbre agradeceu aos senadores Major Olímpio (PSL-SP), Alvaro Dias (PODE-PR) e Simone Tebet (MDB-MS) – que abriram mão da disputa em nome de uma aliança anti-Renan –, e também a Tasso Jereissati (PSDB-CE), que costurou apoios ao democrata.

“Assumo o compromisso com o Senado e com o Brasil. Eu quero dividir essa responsabilidade com os 80 senadores que compõem esta casa”, declarou Alcolumbre, acenando também ao próprio Renan Calheiros . “O senhor terá o mesmo tratamento que todos os partidos devem ter.”

DIÁLOGO

O senador pregou a “reunificação” do Senado por meio do diálogo. “Não produzirei um Senado de revanchismo. Todos encontrarão diálogo e a mais ampla colaboração”, disse. “Precisamos reunificar o Senado em torno do que nos deve ser mais caro: a República e o interesse público. Situação e oposição contarão com o mais amplo respeito desta presidência.”

Alcolumbre defendeu a transparência no Congresso a reforçou a necessidade de “reformas complexas” no País – pincelando seu discurso com a mensagem de que o Legislativo não se curvará a outros poderes.

“No que depender da minha condução, esta será a derradeira sessão do segredismo. Só com a transparência de todas nossas práticas o Senado recuperará o prestígio”, disse. “O Senado é uma casa que precisa ter independência e precisa, sim, ser respeitada. […] Enfrentaremos reformas complexas que, com urgência, nosso país clama. Com o Legislativo forte e reabilitado com a cidadania, que não se incumbe à posição mesquinhada do Judiciário ou de qualquer outro Poder, o Brasil conta conosco. Não podemos nos dar ao luxo de falhar.”

Fonte: Último Segundo - https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-02-02/presidencia-do-senado.html

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Capitão da PM conta que vítima de tiros em Cajazeiras fez revelação sobre crime antes de morrer

VÍDEO

No Sertão, Ricardo Coutinho rebate presidente da assembleia e manda recado duro para governador da PB

SAÚDE PÚBLICA

VÍDEO: Mensagem Empresarial recebe especialista em saúde pública e fala de práticas integrativas do SUS

DESCONTRAÇÃO

VÍDEO: Sucesso na internet, Gleyfy Brauly e MC Nem animam o programa Xeque Mate dessa semana