header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Radialista de Cajazeiras critica homenagens e comendas dadas a pessoas que nada trouxeram para cidade. Veja

O radialista disse ainda, que tais titulações são merecidas somente a pessoas que ‘brigaram’ para grandes conquistas para cidade. "Só para quem merece"

Por

26/05/2015 às 17h06

O radialista Jarismar Pereira no seu comentário do “Direto ao Ponto” da TV Diário do Sertão criticou nesta terça-feira (26), as câmaras municipais que concedem títulos de cidadanias e honra ao mérito sem qualquer justificativa.

Segundo Jarismar Pereira, os vereadores, de Cajazeiras e da Paraíba não usam critérios para definir quem realmente realizou grandes benefícios pela cidade. 

O radialista disse ainda, que tais titulações são merecidas somente a pessoas que ‘brigaram’ para grandes conquistas para cidade. No caso de Cajazeiras ele citou que o reconhecimento deve ser para aqueles que lutaram para trazer a universidade para cidade, o curso de Medicina, o abastecimento de água entre outros serviços relevantes e que sirva a todos indistintamente.

“Essas coisas deixam as câmaras desacreditadas e por isso poucas pessoas comparecem as sessões”. Destacou o radialista

Jarismar Pereira disse a história de agradar políticos e pessoas que exercem altos cargos tem que acabar, pois as comendas devem ser conseguidas por merecimento. “Tem que se para quem fez e pode fazer pelos municípios”.

Nesta terça-feira (26), a gerente regional de educação, Andréa Braga vai receber uma comenda da Câmara municipal de Cajazeiras.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça