header top bar

section content

VÍDEO: Espírita explica consequências do suicídio e diz que ato antecede retorno à parte espiritual

"Porque nós todos iremos desencarnar, mas pelo suicídio a gente antecipa, e essa antecipação é de fato uma falta grave", pontuou o religioso

Por Redação Portal Diário

19/11/2021 às 18h11 • atualizado em 19/11/2021 às 18h16

O espírita Paulo Yokanã participou do programa Balanço Diário da TV Diário do Sertão e falou sobre o suicídio. Ele explicou que o ser humano que tira sua própria vida, terá que “arcar com as consequências do seu ato, mas sempre terá misericórdia divina”. O religioso disse que Deus dará novas chances e novas oportunidades para que todos possam evoluir, crescer e serem felizes.

“Quando a gente tem a desencarnação por suicídio, é uma espécie de antecipação do nosso retorno à parte espiritual, porque nós todos iremos desencarnar, mas pelo suicídio a gente antecipa, e essa antecipação é de fato uma falta grave”, pontuou.

VEJA TAMBÉM

VÍDEO: Espírita diz que o tema ‘suicídio’ ainda é um tabu e que o Setembro Amarelo ajuda nesse sentido

Paulo Yokanã durante o programa Balanço Diário da TV Diário do Sertão.

Paulo ressaltou que o indivíduo precisa e deve enfrentar todos os problemas que segundo ele, “são exatamente para que nós possamos evoluir”.

“O que nos resta é orar pelas pessoas que cometem suicídio, tentar jamais julgar às pessoas, tentar de fato emitir boas vibrações, porque ela continua viva e continua sendo amada por Deus como qualquer uma de suas criaturas”, finalizou.

Paulo Yokanã é espírita e reside em João Pessoa, Capital da Paraíba. Ele é ex-bancário e atua como consultor financeiro.

PORTAL DIÁRIO

HISTÓRIAS DO CANGAÇO

VÍDEO: Professor faz comentário sobre Corisco e fala da sua importância no bando de Lampião

SE EMOCIONOU

VÍDEO: Lula chora ao falar que morou em quartinho com 13 pessoas: “Vou voltar para mudar”

CONHEÇA

VÍDEO: Ótica A Graciosa em Cajazeiras destaca promoção para clientes renovarem exame de vista

OPINIÃO

VÍDEO: Pesquisador diz que salário mínimo deveria ser R$ 3 mil e que famílias não têm consumo consciente

Recomendado pelo Google: