header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Chuvas no Sertão ainda não são suficientes; açudes não acumulam água. Confira aqui!

Dos 121 açudes monitorados, nenhum está sangrando; Conforme a Aesa, o município que mais registrou chuvas foi Riacho dos Cavalos.

Por

19/02/2013 às 14h13

As chuvas do último fim de semana foram recebidas com muita festa na Paraíba, apesar disso, ainda não foram suficientes para mudar a realidade do Estado. Desde a última sexta-feira até ontem choveu 4.043,8 milímetros em 114 municípios, onde foram registrados os índices pluviométricos pela Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa). Estão em situação crítica, 12 açudes, que apresentam capacidade total abaixo de 5%.

A chuva foi bem-vinda em municípios da região sertaneja, uma das mais castigadas pela estiagem, desde o ano passado. Contudo, a água ainda não foi suficiente para influenciar no volume dos principais açudes do Estado.

 

O açude São José IV, localizado em São José do Sabugi, no Sertão do Estado, por exemplo, continua com sua capacidade (554.100 m³) reduzida a zero. Além dele, mais outros onze mananciais estão em situação crítica e mais 28 reservatórios em observação, com menos de 20% de seu volume total.

 

Este é o caso do açude Emas, localizado no município de mesmo nome, também no Sertão, que tem mais de dois milhões de capacidade, mas está apenas com 10,6% de volume total. A cidade de Emas teve um dos maiores registros de chuva no último fim de semana na Paraíba, com 103,3 mm.

 

Dos 121 açudes monitorados pela Aesa, nenhum está sangrando. No manancial Epitácio Pessoa (em Boqueirão), que abastece Campina Grande, o volume está em 56% de sua capacidade total, mais de 411 milhões de m³. Na cidade, a quantidade de chuvas não foi significante, apenas 2,8 m³ de água, nos últimos quatro dias.

 

Conforme os dados da Aesa, o município que mais registrou chuvas foi Riacho dos Cavalos, com 191,5 mm, da última sexta-feira até ontem; seguida de Catolé do Rocha, com 155,4 mm, e Catingueira, com 114,5 mm, todas na região do Sertão. De acordo com o gerente regional da Aesa, Isnaldo Cândido, apesar do registro de chuvas em muitas cidades paraibanas, a quantidade de água ainda é insuficiente para influenciar no volume dos mananciais do Estado, por causa da grande capacidade de armazenamento. “A terra ainda está muito seca e dependendo do local onde a chuva caiu, a água primeiro vai molhar a terra e depois haverá o seu deslocamento até chegar ao manancial”, informou.

 

Previsão do tempo:

Estragos

Apesar de não ter sido significativa para os açudes, moradores de várias cidades enfrentaram alguns contratempos ocasionados pelas chuvas.

 

Em Patos, onde foi registrado 9,5 mm de chuva apenas no último sábado, houve destruição de uma casa e vários alagamentos. Em Catolé do Rocha, o teto e a parte da parede de uma residência desabaram com as chuvas.

 

Em Sousa, a água invadiu várias casas e uma pequena barragem, localizada no sítio Caiçara, voltou a sangrar.

 

Conforme a mateorologista da Aesa, Carmen Becker, de acordo com a previsão, mais chuvas virão nos próximos dias, inclusive nas regiões do Sertão, Curimataú e Cariri, quando será iniciado o seu período chuvoso. “Por enquanto são chuvas isoladas, mas em março, a previsão é que as chuvas aumentem e se tornem mais frequentes”, informou. A previsão para hoje é de nebulosidade variável, podendo ocorrer chuvas isoladas em todas as regiões do Estado. Na região de Campina Grande (Agreste), a temperatura varia entre 21º e 32º.

Veja também: Forte chuva alaga ruas de Sousa e enche barragens na Zona Rural. Fotos!

DIÁRIO DO SERTÃO com Jornal da Paraíba

Tags:
PARTICIPE!

VÍDEO: Gerente do Sebrae fala de revolução tecnológica em feira de Cajazeiras e convida empreendedores

PLANOS E METAS

VÍDEO: Cantor explica como pretende administrar o Atlético e declara que o problema do clube é político

CAMPEONATO PARAIBANO 2019

VÍDEO: Após vistoria técnica, representantes da CBF elogiam o estádio Perpetão: “É um dos melhores”

A ARTE DO CORPO

VÍDEO: Bailarino que dá aula de dança em Cajazeiras fala da sua trajetória e de projetos para a cidade