header top bar

section content

Impressões de viagens (I); Paris uma cidade para sonhar e se surpreender

27/05/2016 às 11h32

Paris uma cidade para sonhar e se surpreender

Por José Antônio 

Quanto tempo seria necessário para se conhecer Paris, a Cidade Luz? Talvez toda uma vida, por sua história e cultura, que surpreende e encanta. É considerada também como a cidade do amor, pois existe uma ponte onde toda a extensão da grade é coberta por cadeados, para que os casais que colocarem o cadeado ali, fechado, na grade da ponte e jogarem a chave no Rio Sena permanecem unidos para sempre.

A sua riqueza cultural é imensurável e fiquei surpreso ao visitar o Museu do Louvre, inaugurado em 1793 e mais ainda quando vi a mais badalada pintura do mundo: a Mona Lisa (que é extremamente simples), além das numerosas coleções de artefatos do Egito Antigo, da civilização greco-romana e das belas obras-primas numa das maiores amostras do mundo da arte e cultura humanas.

O museu abrange oito mil anos da cultura e da civilização tanto do Oriente quanto do Ocidente e é o mais visitado do mundo, quando recebe por ano mais de dez milhões de visitantes. São tantas as obras expostas que seriam necessários meses para ver todas elas e observar os seus detalhes e entender o seu significado e importância.

Em cada museu visitado uma surpresa e o Museu des Invalides (Museu da Forças Armadas) é de uma riqueza de detalhes de ficar de boca aberta e fiquei a imaginar o quanto o povo francês dá valor a sua história cultural e de mais alcance ainda a preservação de seus objetos, ao ponto de ter um grandioso museu só para mostrar e contar a história e trajetórias de suas conquistas militares. Este belo Palácio foi construído a mando de Luis XIV, em 1670, para abrigar os inválidos dos seus exércitos hoje abriga um imenso acervo dedicado a História Militar.

Neste Museu dedica-se grande parte a figura mítica de Napoleão Bonaparte e pude constatar ao ver este museu e também ver o motivo, com mais profundidade, o quanto este cidadão foi importante para a História da Humanidade. Os franceses tiveram a capacidade de mostrar a sua importância através da majestade e imponência de seu mausoléu, de suas conquistas e feitos. A parte dedicada a Napoleão é de uma imponência que impressiona, pelas riquezas de detalhes e de imenso acervo, desde a sua ascensão até o declínio e morte. Mesmo depois de morto o mundo ainda se curva diante dele para reverenciá-lo.

Fico a imaginar: enquanto outros povos se preocupam em preservar suas memórias culturais em todos os seus seguimentos, nós cajazeirenses, além da tendência de destruir seu patrimônio histórico e cultural, ficamos cada vez mais distante, quedado e pobre diante do resto do mundo.

Pude viver um momento de muita emoção e fé, ao conhecer e nela assistir uma missa e rezar por minha mãe, foi na Capela de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, lugar também de peregrinação de fieis do mundo inteiro, onde ocorreu a aparição de Nossa Senhora das Graças, cuja história começou em 1813. Neste local passou a ser a sede da congregação fundada por São Vicente de Paula e por Luísa de Marilac.

É nesta igreja que estão a cadeira que teria sido usada por Nossa Senhora da primeira aparição, o relicário com o coração de São Vicente, o corpo de Santa Catarina e as relíquias de Santa Luisa de Marilac, uma das fundadoras da Ordem das Filhas da Caridade.

Na parede esquerda da capela, medalhões lembram dois episódios vividos pelas freiras durante a Revolução Francesa: no primeiro, quatro religiosas são levadas para a guilhotina. No segundo, duas irmãs se preparam para serem fuziladas.

Diante do corpo de Santa Catarina, ajoelhado, fiquei meditando e refletindo sobre a história de nossa terra, e em especial sobre o maior de todos os filhos, de nossa cidade, Padre Rolim, que por tudo que fez já devia ter sido levado as honras dos altares, mas somos tão pobres de espírito e de cultura que não tivemos se quer a capacidade de localizar em que lugar a igreja matriz está sepultado o Padre e desta maneira mesquinha e desprezível as nossas maiores riquezas culturais vão cada vez mais se acabando.

Voltaremos com as nossas reflexões e impressões de viagem.

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br