header top bar

section content

Cruel: Mulher mata o filho com tesourada no coração logo após o parto para não perder o marido

Segundo a polícia, o golpe atingiu em cheio o coração da criança, que morreu na hora. A

Por

05/06/2015 às 06h06

Uma auxiliar contábil foi presa, acusada de ter assassinado o filho, recém-nascido, na madrugada desta terça-feira (02), em Vitória. Michelle Ribeiro Passos, de 27 anos, confessou ter dado uma tesourada do bebê, logo após o parto. Ela teve alta do hospital nesta quarta e, em seguida, foi presa.

Segundo a polícia, o golpe atingiu em cheio o coração da criança, que morreu na hora. A acusada, que estava grávida de oito meses de seu primeiro filho, alegou que cometeu o crime por medo de perder o marido, que não queria que ela tivesse a criança.

À princípio, Michelle havia dito que a morte da criança havia sido acidental. Ela disse que o parto aconteceu no banheiro da casa dela, no bairro Itararé, na capital, no momento em que ela estava no vaso sanitário.

A acusada alegou que, como está acima do peso, não desconfiou da gravidez e só soube da criança quando ela nasceu. Michelle disse que ainda tentou cortar o cordão umbilical com uma tesoura. No entanto, por acidente, teria matado a criança. A polícia não acreditou na versão da mulher e descobriu que ela já sabia da gravidez.

“Desde o início a gente sabia que ela estava mentindo, por causa da lesão no coração que o bebê apresentava. Só que a gente ainda não tinha os indícios concretos para confrontá-la com essa versão que ela tinha apresentado. Então nós fomos reunindo todas as provas, todos os indícios de que o neném estava vivo e que ela tinha fraudado um exame de gravidez negativo, que ela tinha nos apresentado. Quando ela não tinha mais como negar o caso, assumiu que de fato deu à luz seu filho na madrugada de ontem no banheiro de sua casa e, logo em seguida, pegou uma tesoura e enfiou no coração de seu filho”, contou a delegada Nicolle Perúsia, da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Vitória.

De acordo com a polícia, ela havia falsificado um exame de gravidez, no início de maio, para que a família não soubesse da criança. Michelle foi levada para a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde confessou o crime.

“Eu acredito que ela planejou toda a ação porque o marido não queria ter mais filhos, segundo ela. Ele tinha externado esse desejo de, no momento, não ter mais filhos, porque ele tinha um filho recém-nascido, de um outro relacionamento, e uma filha, já de 12 anos. Acho que ela quis, com medo de perder o marido, se livrar da criança”, disse a delegada.

Nicolle Perúsia acredita que a acusada premeditou o crime. “Ela foi uma pessoa extremamente fria. Isso foi algo que me surpreendeu durante todo o processo de investigação até a prisão dela, porque ela não esboçou nenhuma reação. Não parecia que ela tinha acabado de perder um filho recém-nascido. E isso nos causou um certo asco, de ver uma mulher tão fria diante de ter assassinado seu próprio filho, um recém-nascido que tinha um minuto de vida praticamente”.

A acusada foi autuada por homicídio qualificado, por motivo torpe, além de falsificação de documento. A pena pode variar de 12 a 35 anos de prisão. Michelle foi levada para o Centro de Triagem de Viana.

Do R7

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan