header top bar

section content

Prefeitura de Sousa ignora recomendação do Ministério Público, mantém venda de ingressos e a área VIP no São João. Confira aqui!

O promotor também recomendou que o gestor deveria devolver os valores já arrecadados das pessoas que adquiriram os ingressos. Veja todos os detalhes aqui!

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

21/06/2017 às 14h05 • atualizado em 21/06/2017 às 14h16

Valfredo Alves Teixeira, Promotor de Justiça foi afastado do MP

A prefeitura de Sousa não acatou a recomendação do Ministério Público através do promotor de justiça Valfredo Alves Teixeira, recomendando que o prefeito de Sousa, Fábio Tyrone (PSB) suspenda a venda de ingressos para o evento.

O assessor de comunicação da prefeitura de Sousa, Eugênio Rodrigues, declarou que as vendas dos ingressos continuam sendo feitas normalmente: ”Tudo continua do mesmo jeito, a área VIP está mantida, já houve uma boa venda de ingressos para o dia de hoje”, destacou.

Veja também:

Ministério Público recomenda que prefeito de Sousa suspenda venda de ingressos e devolva dinheiro dos foliões

Vereador sousense divulga vídeo nas redes e faz desabafo sobre área VIP de São João

Comentarista político diz que área VIP do São João de Sousa é a “área do 40”

O promotor também recomendou que o gestor deveria devolver os valores já arrecadados das pessoas que adquiriram os ingressos. Além disso, é necessária uma área destinada a pessoas deficientes e maiores de 60 anos.

O Ministério Público ainda não se pronunciou sobre o assunto.

DIÁRIO DO SERTÃO

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares