header top bar

Adjamilton Pereira

section content

Modernidade enviesada

28/07/2010 às 07h20

De repente, as palavras relutam em se articularem em frases ponderadas e, até mesmo, poéticas. O caos do pensamento provoca uma profusão de sentimentos que se misturam e entravam uma manifestação coerente do que dizem e sobre o que falar. Passos alheios ecoam em outras dimensões a lembrar a existência de vida na imensidão da solidão da criação. São pessoas e seus sonhos. São vidas e possibilidades. Mas tudo parece assombrar a quietude da confusão mental. Nada parece fazer sentido.

Nesse antepasso a cidade começa a silenciar sobre as sombras da noite que avança. Em suas ruelas apenas meninas prostituidas expondo suas entranhas a mercancia. Em seus becos e bancos meninos esquecidos abafam sonhos de futuro em pedaços de pizzas barganhados na caridade alheia. Pequenos delinqüentes arquitetam ilegalidades na esfumaçada realidade das pedras de crack. Um apito corta a noite na vigilância ilusória de um guarda noturno. Ao longe sirenes de ambulâncias e viaturas policiais ressoam sons aterradores que aliam e casam vida e morte na dialética performance da existência e de sua negação.

Ante a impossibilidade de não conseguir refletir sobre o nada algumas inquietações angustiam a alma. Penso sobre a cidade e as freqüentes afirmações das autoridades policiais reconhecendo que o tráfico e consumo de drogas foge ao controle. De repente, a saudade de um tempo de inocência que se esvaiu nas brumas das lembranças e que recomendava colocar uma bacia de água na porta, à noite, para neutralizar os efeitos da maconha, droga perigosa e utilizada por meliantes para neutralizar inocentes vítimas. Um tempo em que até mesmo a marginalidade e a criminalidade tinham certo charme. Um tempo em que o silêncio de ruas precariamente iluminadas evocava lembranças de estupradores violentos e desumanos. Rostos que pertenciam mais ao imaginário popular do que as sendas da verdade.

A impotência da criação também se aloja na publicizada perplexidade de autoridades diante do crescimento da prostituição de jovens imberbes na cidade. Meninas que, rompendo precocemente a infância, se anunciam no mundo adulto vendendo seus corpos no mercado perverso do sexo, revelando suas intimidades para alimentar sonhos que o mundo do consumo constrói como castelos de cartas que desmoronam nas precoces gravidezes e nas maternidades antecipadas em crianças concebidas como descuido e relegadas ao mundo como estorvos.

Estas ponderações são apenas meras divagações de um dia em que a criatividade é embaçada pela realidade de uma cidade que, crescendo, ganham os ares e males da nossa enviesada modernidade.
 

Adjamilton Pereira

Adjamilton Pereira

Adjamilton Pereira é Jornalista e Advogado, natural de Cajazeiras, com passagens pelos Jornais O Norte e Correio da Paraíba, também com atuação marcante no rádio, onde por mais de cinco anos, apresentou o Programa Boca Quente, da Difusora Rádio Cajazeiras, além de ter exercido a função de Secretário de Comunicação da Prefeitura de Cajazeiras.

Contato: adjamiltonpereira@bol.com.br

OPERAÇÃO INOCÊNCIA

VÍDEO: Homem é preso em Cajazeiras suspeito de abusar sexualmente de duas sobrinhas de 9 e 10 anos

FIQUE POR DENTRO

VÍDEO: Diário Esportivo debate sobre vitória do Campinense contra o Belo e empate do Sousa fora de casa

17 DE MAIO

VÍDEO: Repórter relata preconceito ao se assumir gay e vê LGBTQIA+ sendo ‘usados’ em debate eleitoral

FÉ CATÓLICA

VÍDEO: Bispo de Cajazeiras participa de Missa no túmulo de São Pedro, na Basílica do Vaticano, em Roma

Adjamilton Pereira

Adjamilton Pereira

Adjamilton Pereira é Jornalista e Advogado, natural de Cajazeiras, com passagens pelos Jornais O Norte e Correio da Paraíba, também com atuação marcante no rádio, onde por mais de cinco anos, apresentou o Programa Boca Quente, da Difusora Rádio Cajazeiras, além de ter exercido a função de Secretário de Comunicação da Prefeitura de Cajazeiras.

Contato: adjamiltonpereira@bol.com.br

Recomendado pelo Google: