header top bar

Francisco Inácio Pita

section content

O nada pode ser tudo

04/11/2021 às 20h04

Coluna de Francisco Inácio Pita.

Por Francisco Inacio Pita

O nada pode ser tudo, muitos leitores estão imaginando o motivo de um tema tão estranho, no entanto, quero apresentar fatos vivenciados de forma geral, onde uma pessoa começa do nada e depois de uma transformação, se torna um ser humano bem diferente do passado. Algumas pessoas até ficam melhor diante da sociedade, outras se transformam em verdadeiros desumanos. Nada diferente do ser humano, na verdade, somos pessoas imperfeitas à procura da perfeição e o mais difícil é se aproximar da mesma.

A natureza da humanidade se encarrega da transformação em diversos sentidos, às vezes a pessoa para o bem e às vezes para o mal. A falta de oração, de obediência aos mandamentos sagrados, à convivência dentro da sociedade, a condição financeira, a falta de humildade, entre outros motivos, muitas vezes transforma a vida humana em um verdadeiro desumano de carteira assinada.

A maioria dos nossos governantes cobra uma alta taxa tributária que atinge toda sociedade, a começar pela cobrança do imposto de um botijão de gás de cozinha, hoje usado pela maioria das classes sociais, alguns estados do Brasil cobra em média 100 % de tributos entre a saída da Petrobrás ao destino final que é o consumidor.

Os impostos vão para o governo federal e os governadores dos estados, dinheiro que fica quase todo nas mãos dos nossos representantes. O povo paga as mordomias do presidente da república, dos deputados, senadores, governadores, prefeitos e vereadores. Entre os nossos gestores e legisladores é difícil encontrar alguém que assuma a função de representante do povo com dignidade e respeito. Parece que quando toma posse muitos recebem as lições do maldito e muda de personalidade. Muitos representantes dizem que a função é muito espinhosa, mas nenhum pede renúncia do cargo que exerce. Quando se fala em diminuir os impostos, muitos governadores alegam que sem esses tributos não poderão cumprir a folha de pagamento dos funcionários em seu estado, mas se pensar bem existe outra forma de cumprir o lado financeiro em cada estado. Para isso existe uma solução, é só diminuir os gastos com mordomias dos nossos representantes nas Assembleias Legislativas, na câmara dos deputados, no congresso nacional e no supremo tribunal federal. Vai sobrar dinheiro que se for bem administrado dar para suprir todas as necessidades, caso resolvam reduzir os impostos que são pagos pelo povo.

Os gastos com publicidades dos governos em geral, locações de veículos e outras despesas, quando o gestor não compra veículos para seu município tem que existir, mas estão exagerando nos gastos, em muitas prefeituras o preço da locação daria para pagar a prestação de dois ou três carros. Se for observar bem, partes do governo federal, governadores de estados e prefeituras em quase todo o Brasil, exageram em suas despesas com a divulgação em rádio, televisão, portais e sites de notícias. Por outro lado, vemos a saúde pública brasileira muito doente e sem assistência adequada para as pessoas de situação financeira baixa, educação levada a trancos e barrancos, agricultura mal assistida, infraestrutura sendo levada de forma aleatória. Poucas prefeituras do nosso imenso Brasil desenvolvem o seu trabalho para o povo, a maioria deles se preocupam apenas com os seus aliados e familiares. Uma obra que gasta apenas 400 mil reais, é projetada para gastar 900 mil ou mais, e todos já sabem para onde vai o restante do dinheiro, eu também sei mais não digo, fazer para o povo a maioria dos políticos não tem interesse, e quando faz alguma coisa passa a vida inteira lembrando, como se o seu trabalho não fosse a sua obrigação, mas para entrar na justiça contra jornalista é num piscar de olho, só precisa falar os absurdos de forma correta, se não tiver as provas muitos radialistas e jornalistas reponham a processos. O gestor mesmo sabendo que o assunto é verdadeiro, mas não tem consciência, prejudica o comunicador.

Nas repartições públicas observamos muitos funcionários que se acham o dono e atende mal em seu ambiente de trabalho, talvez por ignorância, talvez por problemas pessoais e não sabe separar, outros pela pura maldade e até parece o mais poderoso do ambiente, não lembra que o poder humano é passageiro e findado sempre na desilusão. Quem maltrata pessoas simplesmente pela maldade, não é regra, mas a tendência é receber em troca o pagamento com toda recompensa. Deus não é maldoso, mas está vigilante às 24 horas, e dar as suas benéficas a quem merece. O bicho ruim está acordado 24 horas procurando sempre aumentar a sua população, tenha muito cuidado com ele. Nunca se esqueça de que ser bom na vida não paga imposto, mas infelizmente a escolha é sua. A vida traz sempre um destino e muitas vezes diferente do que nós queremos, no entanto, a nossa vivência na terra é curta e quando menos esperamos chega ao fim, o futuro pertence a Deus, mas você tem o direito de escolher como viver o seu presente. Procure conviver o hoje, para no amanhã seu nome ser lembrado como um bom ser humano, as bondades o povo esquece rapidamente, mas as ruínas que praticamos ficam sequelas para o resto da vida e até após a morte. Nunca se esqueça de lembrar a frase de Mahatma Gandhi: “Quem não vive para servir, não serve para viver”.

Se você for observar, verá claramente muitas pessoas desempenhando o seu papel de atendente com muita maturidade e responsabilidade, mas como o mundo não é perfeito, em contrapartida, encontramos pessoas maldosas e desprovidas da bondade humana. Não custa nada atender bem e procurar entender a necessidade de cada um, dentro da possibilidade e tolerância que requer o fato. Muitas vezes as pessoas procuram um atendente com vários problemas, agitado, estressado e é recebido de forma grosseira, o suficiente para incendiar o ambiente. A convivência em nosso ambiente de trabalho deve ser vista como um serviço de muita importância, mas nunca como um poder forte, lembre-se que você é servidor e sua obrigação é atender bem, e não misturar os seus problemas pessoais com os problemas das pessoas que lhe procuram. É um dever de qualquer servidor, separar a assistência de seu trabalho da sua vida particular. Completo, é uma obrigação ser bom e entender bem, compreender a situação das pessoas que lhe procura, principalmente no setor de saúde pública.

Francisco Inácio Pita

Francisco Inácio Pita

Francisco Inácio de Lima Pita é Radialista e Professor Licenciado em Ciências e Biologia pela UFPB e UFCG respectivamente. Atualmente é professor aposentado por tempo de serviço em sala de aula, escritor dos livros CONCEITOS E SUGESTÕES PARA VIVER BEM O MATRIMÔNIO, AS DROGAS E A RETA FINAL DA VIDA E VARIAÇÕES POÉTICAS e tem outros livros em andamentos, mora atualmente na cidade de São José de Piranhas – PB. Produz e apresenta todos os sábados o Jornal Terra News pela Rádio Terra Nova FM, 88.7 MHz. E-mail: pittadoradio@gmail.com

Contato: pita.sjp@ig.com.br

ELEITOS EM 2020

VÍDEO: Advogado comenta decisão do TRE que determina cassação de vereadores de cidade na região de Sousa

CAMPOS IDEOLÓGICOS

VÍDEO: Enquete online do Diário do Sertão mostra que a maioria tem preferência política pela esquerda

TIRO NO PÉ

VÍDEO: Bolsonaro diz que o brasileiro vivia melhor no tempo de Lula, mas ataca gestão do ex-presidente

AUTORA EVANGÉLICA

VÍDEO: Missionária lança seu primeiro livro em Cajazeiras: “Santificação é um processo progressivo”

Francisco Inácio Pita

Francisco Inácio Pita

Francisco Inácio de Lima Pita é Radialista e Professor Licenciado em Ciências e Biologia pela UFPB e UFCG respectivamente. Atualmente é professor aposentado por tempo de serviço em sala de aula, escritor dos livros CONCEITOS E SUGESTÕES PARA VIVER BEM O MATRIMÔNIO, AS DROGAS E A RETA FINAL DA VIDA E VARIAÇÕES POÉTICAS e tem outros livros em andamentos, mora atualmente na cidade de São José de Piranhas – PB. Produz e apresenta todos os sábados o Jornal Terra News pela Rádio Terra Nova FM, 88.7 MHz. E-mail: pittadoradio@gmail.com

Contato: pita.sjp@ig.com.br

Recomendado pelo Google: