header top bar

Renato Abrantes

section content

Ressurexit, Sicut Dixit, Aleluia!

25/04/2011 às 00h00

Para alguns, apenas mais um condenado que, por seus crimes, deveria cumprir a pena máxima, a morte. Poucos o percebiam ali, dependurado, afinal, eram tantas as crucificações. Os que paravam simplesmente balançavam a cabeça em sinal de reprovação e continuavam seu caminho, não tinham nada a ver com aquilo. A outros salvou, mas não é capaz de se salvar. Que decepção! Ademais, aquele homem, como tantos outros injustamente julgados pelos judeus e torturados e assassinados pelos romanos, era apenas mais um.

Ladeado por dois bandidos igualmente condenados, não se via nele parte sã. O sangue jorrava de todos os seus ferimentos, que não eram poucos, e, coagulado, cobria toda a extensão do seu corpo, como um manto escarlate. Um ínfimo grupo contemplava aquela macabra cena. De pé, firme, mas “lacrimosa”, a mãe do condenado se destacava. Ela parecia carregar com o filho a cruz, como sempre o fez durante toda a sua vida. Ao seu lado, o neo-filho recém-recebido. E, nele, nós.

O abandono era total. Lúcido, o moribundo chegou a gritar, reclamando do Pai, que o tinha abandonado. E não podia ser diferente. Quem assume os pecados de todos tem que assumir, também, as consequências deles, a morte, o abandono de Deus.

Jocosamente, colocaram sobre a cabeça uma placa, em que se escreveu o motivo da condenação. Ele queria ser Rei. E foi. E é. Num gesto de grandeza, perdoou aos seus algozes, por saberem o que estavam fazendo. E não só: suplicou ao Pai que também os perdoassem.

Pobrezinho, retirado da cruz não tinha sequer onde ser sepultado. O foi no túmulo de um discípulo secreto, que criou coragem e pediu autorização a quem de direito para sepultar o morto às pressas, pois o sábado já chegava. E, ao término deste, o domingo. E, com este, a feliz notícia de que o que morrera já não está mais morto, mas, sim, vivo. O que jazia no sepulcro não está mais lá. RESSUSCITOU, COMO DISSE!

A morte já não vence mais, pois ela foi vencida. A vitória é da vida. Agora, em Cristo, morto, sepultado e ressuscitado, vivemos a plenitude da restauração do gênero humano. Temos acesso ao céu. Escravos que éramos, agora somos livres. O preço, muito alto: o sangue de Jesus, oferenda agradável a Deus, sacrifício que fez de nós filhos no Filho, para a alegria da eternidade junto do Pai.

Pela Cruz, a Salvação. Bendita e louvada seja a Santa Cruz.

Cristo Vive, Cristo Reina, Cristo Impera.

Renato Abrantes

Renato Abrantes

Advogado (OAB/CE 27.159) Procurador Institucional da Faculdade Católica Rainha do Sertão (Quixadá/CE)

Contato: moreirabrantesadv@gmail.com

MOMENTO DE CRISE

VÍDEO: Consultor e gestor de projetos fala de ‘mortes de empresas’ vítimas da crise da Covid-19

36 ÓBITOS

VÍDEO: Homem que deu entrada no HRC vítima de infarto é registrado nos óbitos por Covid-19 em Cajazeiras

PROCESSO DA CORES

VÍDEO: Myrian Gadelha afirma que pré-candidatura de Tyrone é desrespeito porque ele estaria inelegível

CRÍTICAS

VÍDEO: André diz que após Tyrone, próximo prefeito de Sousa terá que ter coragem para fazer concurso

Renato Abrantes

Renato Abrantes

Advogado (OAB/CE 27.159) Procurador Institucional da Faculdade Católica Rainha do Sertão (Quixadá/CE)

Contato: moreirabrantesadv@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!