header top bar

section content

Paolla Oliveira vai para a cama com outra atriz em cenas fortes de sexo para filme

Em comédia romântica, Paolla Oliveira vai para a cama com atriz gata portuguesa

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

19/10/2017 às 08h38

Paolla e Sara Prata em cena quente no cinema (Foto: Reprodução)

No longa “Alguém como eu”, em cartaz em Portugal, Paolla Oliveira é Helena, uma carioca bem-sucedida, mas infeliz, que decide romper com o passado e tentar vida nova além-mar. Na Terrinha, ela se envolve com Alex, papel de Ricardo Pereira. E é durante uma crise no relacionamento que Helena passa a ver o namorado como se ele fosse uma mulher. No trailer, Paolla aparece na cama com a atriz portuguesa Sara Prata, que dá vida a essa figura feminina fruto da imaginação de Helena.

— O mote do filme é a insatisfação da mulher. Ela fica tão deprimida com os relacioamentos, que decide viver sozinha, só que acaba arrumando uma pessoa. Como ainda não está 100%, ela começa a enxergar uma mulher no lugar do Ricardo Pereira. Às vezes, o que não é tão perfeito no outro é o que te completa — analisa a atriz, no ar como Jeiza em “A força do querer”.

Por aqui, o filme, ainda sem data de lançamento, deve receber o título de “Mulheres”.

No Instagram, a portuguesa Sara Prata lamentou a ausência de Paolla na pré-estreia do longa no Centro Cultural de Belém, e agradeceu a parceria:

“Fizeste falta. Um beijo e obrigada por este romance a três”.

Sara tem 33 anos, nasceu em Setúbal, e é atriz e modelo. Ela namora há dois anos o modelo Ricardo Oliveira.

Extra

Tags:

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora