header top bar

section content

Epidemia de Hepatite A

Sobe para 79 o número de casos suspeitos em Lastro

Por

21/04/2008 às 00h45

Na última semana o Padre Djacy Brasileiro demonstrou preocupação com os 46 casos suspeitos de Hepatite A na cidade de Lastro. Neste domingo, 20, o Padre voltou a se pronunciar dizendo que já são 79 casos suspeitos e doze confirmados num municipio com pouco mais de 2 mil habitantes.

"A cidade do Lastro, da qual sou padre, vive um momento de aflição, de desespero. Segundo o próprio Prefeito, são setenta e nove pessoas com o sintoma da doença e doze casos já confirmados. Uma cidade com pouco mais de duas mil pessoas, com essa quantidade de pessoas acometidas dessa doença, dá para ficarmos assombrados, temerosos", confessa o religioso.

O Padre reclama que segundo repassadas a ele pela diretora do hospital, até agora não chegou ajuda concreta do Estado, a exemplo de vacinas, apesar de o prefeito ter enviado vários ofícios. "Como pastor dessa comunidade, cobro do governo do Estado, ações concretas emergenciais, antes que as pessoas doentes morram. É muito grave o que está acontecendo no Lastro. Socorro!", preocupa-se.

A secretária de Saúde do Estado descartou na última semana a realização de uma campanha de vacinação. De acordo com a gerente Executiva de Vigilância da Saúde do Estado da Paraíba, Dionéia Garcia, uma campanha de vacinação agora não seria a atitude mais adequada para conter o avanço da doença, já que não há transmissão de pessoa para pessoa. Além do que, os casos só chegam a ser realmente graves em pessoas imunodeprimidas.


Fonte: WSCOM Online

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”