header top bar

section content

VÍDEO: Reduzir maioridade penal e construir presídios resolve problema da violência? Léo Abreu comenta

Esse polêmico questionamento que permeia há muitos anos a sociedade brasileira foi comentada pelo médico no seu canal no YouTube

Por Jocivan Pinheiro

07/12/2018 às 13h49 • atualizado em 07/12/2018 às 14h03

Reduzir a maioridade penal e aumentar o número de penitenciárias resolvem o problema da violência no Brasil? Esse polêmico questionamento que permeia há muitos anos a sociedade brasileira foi comentado pelo médico Léo Abreu no seu canal no YouTube.

Léo Abreu ressalta que o tema é complexo e de difícil resolução, pois quem defende a redução tem pontos de vista válidos e quem é contra, também.

VEJA TAMBÉMYoutuber Léo Abreu se posiciona a respeito do projeto Escola sem Partido

No primeiro caso, alega-se que mais de 80% da população é a favor da redução, pois se menores de 16 anos podem votar, então podem se submeter aos rigores da lei. Quem é contra justifica que menos de 4% dos crimes graves são cometidos por menores de 18 anos.

Léo Abreu, por sua vez, diz que precisa-se primeiro discutir a problemática da enorme população carcerária do Brasil, que é uma das maiores do mundo.

Segundo ele, com base em dados do Ministério da Justiça, em dez anos a população carcerária do Brasil duplicou, mas 60% foram presos por crimes considerados de menor potencial ofensivo.

O ano de 2018 fechará com mais de 800 mil pessoas presas. Porém, o crime organizado continua comandando a criminalidade de dentro dos presídios.

DIÁRIO DO SERTÃO

CAMPEONATO PARAIBANO 2019

Ele vem aí! Sousa Esporte Clube apresenta novo time e garante lutar com raça pelo título do Paraibano

DESTAQUE INTERNACIONAL

VÍDEO: Em Cajazeiras, palestrante filho de paraibanos fala das suas experiências no Brasil e no exterior

"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico