header top bar

section content

Após bate-boca e votação adiada, novo Código Tributário de Bonito de Santa Fé é aprovado; entenda o caso

Projeto de Lei propõe reformar o Código Tributário Municipal, mas o grupo de oposição não quis aceitá-lo, alegando que haveria aumento na cobrança de impostos

Por Jocivan Pinheiro

22/12/2018 às 19h00 • atualizado em 22/12/2018 às 19h57

Câmara Municipal de Bonito de Santa Fé

Um Projeto de Lei encaminhado pela Prefeitura de Bonito de Santa Fé à Câmara Municipal gerou clima tenso entre os vereadores da oposição, da situação e populares. O PL propõe reformar o Código Tributário Municipal, mas o grupo de oposição não quis aceitá-lo, alegando que haveria aumento na cobrança de impostos. Após muito bate-boca e manifestações inflamadas do público, o projeto foi aprovado na sessão de quinta-feira (20).

O prefeito Chico Pereira (PSB) reagiu às acusações dos vereadores de oposição afirmando que o novo Código Tributário Municipal não cria nem aumenta tributos: “Os impostos serão exatamente os mesmos do antigo Código e os valores a serem pagos pela população também serão exatamente iguais aos já cobrados”, disse o prefeito.

“A oposição, talvez por ignorar do que se tratava, ou quem sabe por buscar apoio em meio à opinião pública, embutiu na cabeça de muitos da nossa sociedade que tal projeto, em sendo aprovado, iria causá-la irreparáveis danos financeiros, fato este que gerou inconformismo e indignação popular. Tentaram de todas as formas derrotar o projeto, inclusive fazendo elogios ao presidente da casa, pois ele era o voto que decidia, ora pedindo ao povo que não mais votasse no vereador que fosse a favor do projeto, ora fazendo duras e injustas críticas a todos da base do governo, a todo tempo insuflando os aliados do auditório a se insurgirem com palavras, gestos e até ameaças de violência física contra os aliados do governo”, completa Chico Pereira.

VEJA TAMBÉM

+ Prefeitura de Bonito de Santa Fé firma parceria com aplicativo que facilita acesso a serviços de saúde

Chico Pereira, prefeito de Bonito de Santa Fé

Ainda de acordo com o prefeito, antes de ser posto em pauta na Câmara Municipal, foi realizada uma reunião com todos os vereadores e um advogado para discutir o projeto.

“Mediante o primeiro momento constrangedor enfrentado pelos vereadores de situação, no dia 14 de dezembro [data prevista para votação do Projeto de Lei), o presidente da Câmara, José Devânio, concedeu pedido de vistas para que o projeto fosse melhor analisado antes de ser votado em definitivo. Foi disponibilizado para qualquer popular ter acesso ao mesmo”, explica.

No dia 19, Chico Pereira e o advogado estiveram em uma emissora de rádio local prestando esclarecimentos sobre o Projeto de Lei. Na oportunidade, o prefeito leu o pedido de alerta que recebeu do Tribunal de Contas e explicou à população como seria atribuído o novo Código.

De acordo com Chico Pereira, durante a votação da quinta-feira os vereadores de situação foram hostilizados novamente: “Após o Projeto de Lei ser aprovado por 5 a 4, os vereadores deixaram a Câmara ao som de gritos e vaias. Esse foi um momento muito constrangedor, não somente pela forma como alguns se manifestaram, mas principalmente por sabermos que o propósito era só e simplesmente prejudicar a boa ordem governamental, o que não conseguiram, pois os vereadores de situação, por saberem o que estavam fazendo, se mantiveram serenamente firmes, aguerridos e certos de que o projeto só trará benefícios para o município”, diz o prefeito.

José Devânio (Van do Viana), presidente da Câmara de Bonito de Santa Fé

Chico Pereira explica que o novo Código Tributário reduz as alíquotas do IPTU. Anteriormente, as alíquotas dos imóveis edificados e dos terrenos localizados em áreas com pavimentação e esgoto eram de 1,5%. Pelo novo Código, elas passam a ser de até 1%. No caso das residências, a alíquota caiu para 0,7%.

“Ele também é mais benéfico porque retirou algumas taxas como as de buscas de papéis ou de fornecimento de atestados ou certidões. Para quem estiver com o IPTU atrasado, serão feitos acordos com cada popular devedor. Além desses benefícios e vantagens, essa atualização era uma cobrança tanto do Ministério Público quanto do Tribunal de Contas que, caso não atendida, as contas do município poderiam ser reprovadas por inobservância da legalidade”, frisou o prefeito.

“O antigo Código estava defasado. Significa dizer que o município estava deixando de arrecadar impostos como ISS, sobre os serviços prestados pelas empresas operadoras de cartão de crédito e de débito. Uma importante fonte de renda que vinha sendo desperdiçada desde o ano de 2017. A legislação que estava em vigor era inconstitucional porque foi aprovada através de lei ordinária, uma vez que deveria ter sido aprovado através de lei complementar”, completa.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ELEIÇÕES 2020

VÍDEO: Paula revela quem ela e Zé Aldemir apoiarão nas eleições das cidades de Uiraúna e Santa Helena

EXPLICAÇÕES

VÍDEO: Governador diz que falta de legista no fim de semana no IPC de Cajazeiras está sendo resolvida

CARNE OU OVO?

VÍDEO: após o aumento do preço da carne, consumo de ovos dispara na cidade de Sousa

PSB RACHADO

VÍDEO: Jeová diz que não apoia Denise como candidata a prefeita: “Ela se colocou como minha adversária”