header top bar

section content

"A partir de 2050 a humanidade terá os seus dias contados” diz agrônomo

Adalberto Nogueira põe em dúvida que o fenômeno esteja associado à agressão do homem à natureza, ressaltando que possivelmente está acontecendo uma nova fase geofísica do cosmo em seu intervalo...

Por

22/12/2009 às 23h43

Segundo os estudos científicos a previsão de chuvas no sertão para o próximo ano não são muito boas, pois de acordo como engenheiro agrônomo Adalberto Nogueira, o oceano Pacífico teve um aumento de temperatura de suas águas acima do normal nos meses de novembro e dezembro caracterizando a sessão do fenômeno natural El-niño. Apesar da negatividade apresentada pelo Pacífico há uma esperança no mês de janeiro onde será observado o comportamento do oceano Atlântico.

Na previsão popular ainda estão sendo analisados os comportamentos da natureza, a exemplo da variação da floração das árvores. Adalberto compara os anos de 2008 e 2009, adiantando que a previsão é que não ocorrerão chuvas dentro da normalidade.

Fim do Mundo
O engenheiro agrônomo também explicou o que vem acontecendo com o tempo que vem causando aumento da temperatura em todo o planeta, pois em nossa região o aumento chegou a 2ºC. Ele põe em dúvida que o fenômeno esteja associado à agressão do homem à natureza, ressaltando que possivelmente está acontecendo uma nova fase geofísica do cosmo em seu intervalo de tempo, exemplificando tais mudanças que aconteceram no tempo em lugares bem próximos de nós, a exemplo da Chapada do Araripe: “Caso seja comprovado essa tese do aquecimento global, a partir de 2050 a humanidade terá os seus dias contados”, esclareceu o engenheiro agrônomo.

Nordeste
Apesar das imprevisões de chuvas para a nossa região o engenheiro agrônomo declarou que o Nordeste é ainda o melhor lugar de se viver, e torce para que os sinais esperados até o dia 21 de janeiro, sejam favoráveis às chuvas: “O nordeste é o melhor lugar de se viver, pois acontecem chuvas em abundância e estiagem dentro da normalidade. É importante lembrar que foi nas épocas de seca onde o nordeste tirou mais proveito no aspecto de investimento para a melhoria de sua região, e esta região tem crescido diante das calamidades”, destacou.

Agricultura
Ele também salientou que está havendo um desestímulo muito grande com relação á agricultura, pois segundo o engenheiro, na realidade há uma mudança estrutural na área rural, tendo em vista a não transformação das leis sociais, pois as leis trabalhistas agridem o homem do campo, a própria classe trabalhadora e a classe patronal. “Antes de nos preocuparmos com a seca, é importante direcionar as atenções para as mudanças estruturais de nossas leis do campo, pois é necessário que o semi-árido nordestino tenha um crédito subsidiado, um programa de incentivo ao retorno da população, principalmente de quem se encontra na periferia de rua. É necessário incentivar os núcleos rurais no sentido de uma melhor distribuição da população, e melhores condições de vida”, finalizou.

RAQUEL ALEXANDRE
Da redação do Diário do Sertão

Tags:
AMOR E FÉ

ESPECIAL DE FÉRIAS: Crianças e adolescentes de Cajazeiras e Sousa abrilhantam programa na TV Diário

AUXILIAR DO TROVÃO

VÍDEO: Agora no Atlético-PB, ex-jogador do Corinthians está confiante em vaga no Brasileirão da Série D

SAÚDE & BEM-ESTAR

VÍDEO: Médico alerta para consequências do uso excessivo de alguns medicamentos no aparelho digestivo

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Colunista comenta por que Rodrigo Maia se tornou o ‘queridinho’ de Bolsonaro e de deputados da PB