header top bar

section content

Começam os trabalhos para criação da Universidade Federal do Sertão

A Comissão de Estudo da Viabilidade Técnica de Criação da Universidade Federal do Sertão, a partir do desmembramento dos campi Cajazeiras, Patos, Pombal e Sousa da Universidade Federal de Campina

Por

18/06/2009 às 07h52

A Comissão de Estudo da Viabilidade Técnica de Criação da Universidade Federal do Sertão, a partir do desmembramento dos campi Cajazeiras, Patos, Pombal e Sousa da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), se reuniu na manhã desta quarta-feira (17), no gabinete do reitor Thompson Mariz, presidente da comissão. No encontro, foram estabelecidos os primeiros passos para a elaboração de um relatório conclusivo a ser apresentado ao Colegiado Pleno do Conselho Universitário, num prazo de 60 dias.

Ressaltando que os trabalhos serão voltados para a construção de um documento consistente, balizado pela transparência dos atos e das ações; e a democratização e massificação dos debates, Mariz disse que não haverá nenhuma discussão sobre a sede da reitoria da nova universidade, caso venha a ser criada. “Pois, a escolha será de competência de uma comissão do MEC e que, qualquer inclinação nessa direção, certamente contaminará o processo com interesses políticos extra-universidade”.

O reitor disse que as participações da sociedade e da classe política paraibanas serão imprescindíveis, mas que esse é o momento de um estudo técnico detalhado, na universidade, para saber se ela quer ser desmembrada e se os campi envolvidos têm condições de se transformarem na Universidade do Sertão, uma instituição pujante e de perspectivas claras. “Se a criação for recomendada, então teremos a sociedade e os políticos como parceiros em mais um desafio”, disse, lembrando que a UFCG surgiu de uma luta suprapartidária.

Próximos passos
A comissão delegará, amanhã, às pró-reitorias e prefeitura universitária que apresentem, até o próximo dia 30, dados que substanciem a elaboração do relatório, tais como: infraestrutura, gestão financeira, convênios, quadro de pessoal e número de alunos, projeção de aposentadoria dos servidores, cursos e vagas oferecidas na graduação e na pós, bolsas e gratificações, qualificação dos docentes, números das residências e restaurantes universitários e projetos de extensão, assistência estudantil e número de terceirizados.

Recebendo esses números, a presidência os encaminhará aos membros da comissão para uma leitura e reflexão setorizada e global de suas realidades. No dia 6 de julho – no gabinete, às 10 horas – a comissão realizará sua segunda reunião. Nela, os dados serão aferidos e sistematizados para disponibilização pública e nutrir as argumentações e as discussões na comunidade universitária. O calendário para os debates nos campi também será estabelecido.

Na reunião desta quarta, decidiu-se pela convocação dos vice-diretores dos centros envolvidos no estudo para compor a comissão, como suplentes. Da mesma forma, o vice-reitor Edilson Amorim, que participou desse primeiro encontro, será o substituto do reitor. Outro ponto estabelecido foi a criação de grupos de trabalho, em cada campus e sob coordenação do seu diretor, tendo, entre outras atribuições, agendar e organizar os debates com a comunidade universitária.

Secretaria e relatoria
A comissão adotará um sistema de secretariado por campus. Onde acontecerem atividades, a função será exercida pelo seu diretor de centro. Exemplo, no debate com a comunidade universitária de Patos, o secretário será Paulo Bastos, diretor do Centro de Saúde e Tecnologia Rural. Já, nos encontros nos campi Campina Grande e Cuité, o vice-reitor responderá pela secretaria.

Atentando para a necessidade de um relatório bem trabalhado, que elenque e comente os dados e catalogue alguns posicionamentos e considerações colhidas nas audiências públicas (debates com a comunidade acadêmica) a comissão decidiu por uma relatoria e sub-relatoria, que serão exercidas, respectivamente pelos diretores Joaquim Alencar (Sousa) e Martinho Salgado (Pombal).

Expectativas

Thompson Mariz disse que a história da Universidade Federal de Campina Grande é um referencial e o incentivo maior para que esse estudo de viabilização de criação da Universidade do Sertão se concretize “na realização de um sonho”. Para ele, ninguém perde, todos ganham, pois a instalação de uma universidade traz novos cursos e novos campi, consequentemente, avanços econômicos e sócio-culturais. “Estamos construindo uma Paraíba vocacionada ao ensino universitário e tecnológico público”.

A expectativa do reitor é de que até junho do próximo ano, se os estudos comprovarem a viabilidade, uma nova universidade estará sendo criada no estado.

Paulo Bastos, diretor do Centro de Saúde e Tecnologia Rural, campus Patos, disse acreditar que a criação será benéfica para a região e para o estado. “Um sistema multiuniversidade, a exemplo do que acontece em Minas Gerais, é mais positivo do que o multi-campi, pois facilita a vinda de recursos para a Paraíba”, exemplificou citando dados orçamentários que foram multiplicados com o desmembramento da UFPB.

Para ele, mesmo não surgindo com a mesma expressão da UFCG, a instituição será forte e representativa no cenário nordestino e nacional por suas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Fábio de Freitas, diretor do Centro de Formação de Professores, campus Cajazeira, salientou que o momento é oportuno para criação, pois o governo federal tem se mostrado interessado na implantação de novas universidades. “Temos que ser breves. Só não podemos ter a UFCG como referencial no quesito tempo de criação, nos demais, ela será nosso espelho”, disse, comentando que cada campus – com suas características e potencialidades – são as justificativas para o sucesso.

Freitas disse está otimista, pelo quadro de funcionários, infraestrutura e alunos que os campi dispõem. Para ele, os números reais e ideais são próximos e a concretização do projeto é possível.

Martinho Salgado, diretor do Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar, campus Pombal, defende que tudo vem do sucesso do Plano de Expansão da UFCG – criação dos campi Cuité, Pombal e Sumé – e dos ideais do reitor da UFCG de expandir o ensino superior pelo estado. “O momento histórico é promissor e as realidades de cada campus envolvido tornam o projeto viável”, explicou, ilustrando as condições favoráveis.

Com exemplos das potencialidades dos campi e cidades-sede, Salgado elencou inúmeras razões para o surgimento de uma universidade, a exemplo das bacias leiteira, hidrográfica e petrolífera.

Joaquim Alencar, diretor do Centro de Ciências Sociais e Jurídicas, campus Sousa, também ressaltou o momento oportuno advindo com a política de expansão universitária do governo Lula. Registrou que a Universidade do Sertão é um sonho acalentado há 20 anos. Ele defende que também é tempo de se construir uma nova universidade com um novo modelo de gestão. “Descentralizada, onde cada campus sedie uma estrutura importante da administração”, sugeriu.

Para Alencar, essa descentralização da estrutura administração ajudaria na integração e valorização dos campi. “Algumas pró-reitorias poderiam ser sediadas em outros centros, fora da reitoria”, exemplificou.

Da Ascom UFCG

Tags:

Recomendado para você pelo google

ESPECIAL DE PÁSCOA

VÍDEO: TVDS exibe programa ‘Mensagem de Fé com Frei João Batista’ em especial de Semana Santa

FÉ E DEVOÇÃO

Sexta-feira Santa em Cajazeiras é marcada por várias celebrações religiosas e grande número de fiéis

SAÚDE

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre a obesidade e médica endocrinologista tira dúvidas sobre a doença; Veja!

SEMANA SANTA PARA OS EVANGÉLICOS

VÍDEO: Pastor fala sobre significado da Páscoa para os protestantes: “É o sacrifício e a libertação”